fbpx

Digite para buscar

Medicina política

Nota da AMB contra tratamento precoce é refutada por entidades médicas

Entidades associadas à própria Associação Médica Brasileira solicitam retirada de assinatura de nota que pede banimento de tratamento precoce

Compartilhar
Nota da AMB contra tratamento precoce é refutada por entidades médicas

Entidades médicas do país que figuravam como uma das 81 signatárias de uma nota oficial da Associação Médica Brasileira (AMB) solicitaram a retirada de suas assinaturas do documento, informa a Gazeta do Povo (apenas assinantes).

No documento, os itens que geraram maior reação entre as entidades médicas foram justamente os que abordam o tratamento precoce e alguns medicamentos:

“7. Reafirmamos que, infelizmente, medicações como hidroxicloroquina/cloroquina, ivermectina, nitazoxanida, azitromicina e colchicina, entre outras drogas, não possuem eficácia científica comprovada de benefício no tratamento ou prevenção da COVID-19, quer seja na prevenção, na fase inicial ou nas fases avançadas dessa doença, sendo que, portanto, a utilização desses fármacos deve ser banida.

8. Aos médicos, reafirmamos que o uso de corticoides e anticoagulantes devem ser reservados exclusivamente para pacientes hospitalizados e que precisem de oxigênio suplementar, não devendo ser prescritos na COVID leve, conforme diversas diretrizes científicas nacionais e internacionais. (…)”

Alegando não ter sido consultada a tempo de avaliar o teor da carta da AMB, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) publicou nota oficial dizendo que não poderá assinar o documento por este motivo.

Segundo a Gazeta do Povo, “Eduardo Baptistella, presidente da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), também alega que recebeu um e-mail muito próximo à divulgação da nota, impedindo a consulta aos associados quanto ao teor do boletim, solicitou a imediata retirada da assinatura da entidade.”

Já a Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (CIPE) lançou uma nota oficial discordando especificamente dos itens 7 e 8 por “gerarem polêmica, não ser uma unanimidade entre nossos associados e ir de encontro a autonomia do médico.”

O mesmo fez a Associação Médica do Rio Grande do Norte (AMRN):

“Considerando (…) que esta Associação Médica do Rio Grande do Norte não poupa esforços para pleitear (…) a liberdade do ato médico, dando-lhe o direito ao exercício pleno da profissão, com obediência às regulamentações do Conselho Federal de Medicina, vem:

REGISTRAR que NÃO CONCORDA com os itens 7 e 8 do Boletim 02/2021 emitido pelo Comitê Extraordinário de Monitoramento Covid-19 da Associação Médica Brasileira, razão pela qual solicita sua EXCLUSÃO como signatária do referido documento.

De acordo com a Gazeta, a Associação Nacional de Médicos do Trabalho (ANMT) sequer chegou a ser consultada e definiu o caso como “um posicionamento equivocado tomado por uma minoria que não representa a maioria dos médicos.”

Após as reclamações, a AMB republicou o documento com as assinaturas apenas dos 16 membros do Núcleo Executivo – CEM Covid da AMB.

Em uma entrevista ao jornal Folha de S.Paulo (somente assinantes), publicada em 25 de janeiro, o presidente da AMB declarou que a associação se posiciona contra o tratamento precoce “não por razões ideológicas, políticas ou partidárias” e que o que leva médicos a receitar medicamentos é o passionalismo e a ideologia.

Leia também: Tylenol é mais danoso ao fígado do que você-sabe-o-quê.


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Assuntos:
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1