patos fiesp

Maloqueiros na Paulista contra o impeachment estão queimando patos na frente do prédio da Fiesp. Não patos vivos, mas imagens daquele famoso pato de borracha da campanha da Fiesp dizendo: “Não vamos pagar o pato”, contra a volta da CPMF. 

Pode parecer algo de somenos importância, mas apenas para quem não sabe que 99,999% da política é símbolo, 0,001% é quintessência.

Analise bem o ato simbólico: o pato representa o brasileiro sendo feito de trouxa, tendo de pagar mais impostos para pagar as contas do governo. Contas estas ilegais, mas também legais: a torrefação de dinheiro público com viagens, empréstimos, cargos comissionados, cabidões de empregos para os companheiros “trabalhadores”, investimentos em ditaduras – tudo by the book – recai sobre o bolso do trabalhador brasileiro, sempre tendo de pagar mais impostos sob a eterna desculpa do Estado de Bem Estar Social e da correção da “desigualdade”.

É, portanto, um símbolo de resistência individual e da supremacia da justiça sobre o poder político desenfreado.

Quando petistas queimam imagens do pato da Fiesp, o que querem dizer não tem duplo sentido: declaram in true colours que querem sim que a população trabalhadora pague suas mordomias. Que o povo honesto deve perder os frutos do seu trabalho para financiar os bolsos de quem só quer cargos políticos e benesses através do Estado.

Todo o palavrório criticando o mercado e enaltecendo o Deus Estado significa apenas isso: o medo terrível de ter de trabalhar com mérito e ser reconhecido pelo próprio trabalho, ao invés de se aboletar numa sinecura, as entidades estatais sem cuidado (sine cura) com o orçamento.

Sem isso, não haveria a crença na “corrupção do bem”, em acreditar que pedaladas fiscais são uma coisa positiva, que é uma coisa maravilhosa arrancar dinheiro de trabalhadores inocentes para um “plano econômico” que financiará a improdução e, sobretudo, os políticos e empresários amigos.

A palavra “fascismo” vive sendo usada no Brasil apenas como metonímia, sem saber o que é o fascismo na realidade. Se quiser um exemplo, veja os petistas queimando patos na Av. Paulista e entenderá.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:










  • dudu

    Mídia “minja”?? o do bocudo do jabaculé?? Só mauricinho e patricinha que luta por mais igualdade desde que “mais igualdade” não signifique ter que dividir a mesadinha do papai com essa “cambada de pobre fedido”…

Sem mais artigos