Para evitar discutir imigração após o atentado em Orlando, disseram que Seddique Mateen, pai afegão do terrorista, era um "moderado". Será?

Em Os Demônios, de Dostoievski, o professor liberal Stiepan Trofímovitch Vierkhoviénski pôs no mundo o revolucionário Piotr Stiepanovitch Vierkhoviénski. No Brasil, o social-democrata FHC deu à luz o PT. E o mesmo se passa agora em Orlando, onde o muçulmano “moderado” amigo de Obama e Hillary deu vida ao terrorista do ISIS.

O padrão se repete: a esquerda revolucionária e terrorista nasce de dentro da esquerda dita moderada. É batata!

O homem da foto é Seddique Mateen, pai do terrorista de Orlando. Ele apóia o Talibã, pretende ser presidente do Afeganistão e, em abril deste ano, esteve em Washington, visitando políticos democratas no Departamento de Estado do governo Obama, outrora chefiado por Hillary Clinton, e hoje por John Kerry.

Deus irá punir os envolvidos em homossexualismo” – disse Seddique Mateen depois dos ataques. É esse tipo de gente que Obama e Hillary trouxeram para dentro da vida política americana. Para a esquerda americana, Seddique Mateen é um muçulmano moderado! Para a esquerda americana (e para a Globo News, seu departamento de marketing em terras brasileiras), o perigo é Donald Trump e seus discursos de alerta contra aquele tipo de muçulmano moderado.

“Quem nos salvará da civilização ocidental?” – perguntou certa vez György Lukács, o pai do chamado marxismo ocidental, que hoje é a base ideológica do Partido Democrata. E é essa questão que Obama, Hillary, John Kerry continuam discutindo a portas fechadas com tipos como Seddique Mateen.

Cabe-nos então, parodiando Lukács, perguntar: quem nos salvará do Partido Democrata americano e seus estranhos aliados?

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:







  • Elisandra Maria

    Eu acho essa questão muito complexa, pois vejo vídeos de estupros em massa na Alemanha e outra série de barbaridades cometidas por refugiados, mas ao mesmo tempo me pergunto como resolver isso, afinal há crianças inocentes, mulheres indefesas e creio que nem todos os homens sejam terroristas, não acho justo que pessoas que estão desesperadas, tentando sobreviver porque no país delas, a morte é inevitável, não recebam ajuda. Reconheço que ao aceitar os refugiados as pessoas ficam vulneráveis a ataques terroristas, aumento de estupros e que apesar de quem cometa tais práticas seja uma minoria, essa minoria pode causar muitos danos e muitas perdas. Tem a questão de implementarem a sharia que é totalmente radical. Como resolver essa questão, protegendo a integridade de uma nação, sem ser desumano?

  • Arthur

    Culpa por associação foi forte nesse aí.

    Sendo uma figura política, fica óbvio que o acesso do pai desse menino foi permitido. Não vi uma palavra da boca de nenhum dos mencionados sobre o pai islâmico. Interessante que, pegando o link do autor e vendo quais figuras políticas o indivíduo visitou… Vemos um Democrata – Charlie Rangel -, enquanto o dito Comitê Internacional era composto de…. Republicanos. Não houve sequer uma fonte dele conversando com Clinton, Kerry, ou Obama. (e se tivesse…. não entendo que ponto você poderia tirar disso)

    Mas, né, Democratas são a encarnação do mal. A causa direta do extremismo muçulmano. Culpa por associação, essas coisas irrelevantes que mudam o foco da conversa.

    • Eriveldon

      Leu e não entendeu. Faz o seguinte: vai pra um desses cursinhos de vestibular e implora por aulas de interpretação de textos. Vai te ajudar, garoto. E mais importante: para de ouvir as bobagens do seu professor de História de 35-40 anos de idade que diz que “foi torturado no DOPS”!!!

Sem mais artigos