G1, portal da Globo, traduz artigo da BBC dizendo que pedir em casamento em público é sexista, controlador, cruel, senso de posse do homem.

O G1, portal da Globo, traduziu e republicou matéria de Tom Spender, na BBC, sobre o atleta chinês Qin Kai, que pediu a também atleta He Zi em casamento diante do público do mundo. Segundo a matéria da BBC, isso poderia ser “pressão masculina”.

Para conseguir “explicar” como um pedido de casamento apaixonado pode ser pressão masculina – praticamente o seu oposto –, a Tom Spender cita uma usuária do Weibo, espécie de Twitter chinês, que teria afirmado que seria muita pressão externa para “uma decisão tão íntima e importante”. A usuária teria dito:

“Se ela rejeita a oferta de casamento, vai ser rotulada como uma pessoa cruel por bilhões ao redor do mundo, que estão observando. Isso pode ser mascarado como romântico, mas eu vejo o contrário.”

Tom Spender ainda garante que,

na página da BBC no Facebook, alguns usuários criticaram uma cobertura “sexista” da mídia, que estaria mais centrada no pedido do que na conquista desportiva da nadadora.

Chineses adoram pedidos de casamento inusitados. Um pedido de casamento deste porte raramente é feito ad nihil: apesar de adorarmos o show, a bem da verdade, é como luta livre telecatch: sabemos muito bem que é tudo já pré-acordado entre as partes.

É difícil alguém pedir em casamento em público dessa forma sem haver uma preparação, algum tempo de namoro, umas mãos dadas, quiçá uma boca na boca, uma boca na mão, uma mão naquilo, uma boca naquilo, algumas sessões de aquilo naquilo.

Bom, isso para pessoas normais. O nome disso é “vida afetiva” – ou “sexual”, nesse mundo que só vê a forma, e não o conteúdo. Não parece ser o caso da BBC e suas fontes, tão adoradas pelo G1.

Vide-se este trecho:

“Mecanismo de controle”

Escritora indiana baseada em Londres, Sunny Singh tuítou que a proposta revela um senso de direito masculino.

Ela descreveu o caso à BBC como “um movimento peniano, que definitivamente não é romântico”.

Movimento peniano. Movimento peniano. Mo-vi-men-to pe-ni-a-no. Movimento peniano. MOVIMENTO PENIANO.

MOVIMENTO PENIANO.

Faltam palavrões penianos na língua portuguesa para descrever o pensamento de Sunny Singh, o conteúdo do pensamento, a forma do pensamento, por que pensa o que pensa, por que a BBC se preocupa com o seu tweet, por que o G1 traduz, do que essas pessoas estão precisando para voltar a ter uma vida normal.

Essa mulher se chama mesmo “Sunny”?

Acabei de visitar um centro espírita aqui do lado e perguntei para o próprio dr. Sigmund Freud o que achou de traduzir um pedido de casamento como um “movimento peniano” e, entre engasgadas de charuto, ele respondeu num mavioso sotaque austríaco que “Veja bem, veja bem, eu falo o que falo sobre falo, mas tudo tem limite, né, mein Freund“.

A falta de uns movimentos penianos entre quem fala em “sexismo” e usa vocabulário psicanalítico para “problematizar” e textãolizar fatos normais da vida de qualquer pessoa normal e transformar o normal em anormal nas redações da BBC ao G1, enquanto os próprios envolvidos estão rindo no momento mais feliz de suas vidas, se torna gritante (gemer não está no páreo) no fato de não ser o primeiro pedido em casamento das Olimpíadas.

Marjorie Enya, voluntária que trabalhava no estádio, pediu Isadora Cerullo, da seleção brasileira de rugby, em casamento. No microfone, para o estádio inteiro. E teve um sim como resposta. O sim foi comemorado pelo mundo inteiro, inclusive pelo Globo Esporte. Afinal, foi um pedido de casamento, deu certo e, o melhor de tudo, ainda lésbico.

Por que, mesmo sendo algo feito no microfone diante do mundo, não foi problematizado, não foi textãolizado, não teve feminista psicanalizadora vendo pressão da sociedade, sexismo, invasão (como é que é o negócio? “mecanismo de controle”?) e aquela papagaiada de quem acha que está academizando e sendo inteligentão, quando só está se cegando pra realidade por baixo das ideologias?

Diz a mesma Sunny Singh para a BBC:

Mas isso foi diferente, disse Singh, porque não envolveu o “sequestro” de uma cerimônia de medalhas.

Aaaaaah tá. Aí não foi “movimento peniano” que não é “nada romântico”.

Que falta faz um pênis para certas pessoas.

Imagem da página Libertroll.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar sendo nosso patrão através do Patreon

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:











  • vertigini

    Eu vou além: Precisamos de leis para proibir esses “movimentos penianos”. A bancada feminista e aquela patuleia de desocupados acadêmicos com soldo pago pelo contribuinte, podem confabular algo.

  • Le Zuero

    E ainda falam na tal “mídia conservadora de direita”.

Sem mais artigos