Digite para buscar

Duas medidas

Em julho de 2020, BBC e G1 criticavam “cancelamento” do sinal de OK

Reportagem da BBC postada no G1 contava história de filho de imigrantes mexicanos que foi tratado como "racista" e teve vida destruída. G1 hoje pratica o mesmo

Avatar
Compartilhar
Em julho de 2020, BBC e G1 criticavam "cancelamento" do sinal de OK

Uma longa reportagem da BBC reproduzida no portal G1 contou a história de Emmanuel Cafferty, um filho de imigrantes mexicanos de 47 anos que sofreu na pele as últimas conseqüências da cultura do cancelamento da geração woke. Era julho de 2020.

O motivo: um gesto interpretado como sinal de supremacismo branco enquanto Cafferty ouvia uma música no rádio da caminhonete da empresa em que trabalhava.

Além de ter a vida exposta no Twitter por um justiceiro social, Cafferty perdeu o “emprego dos sonhos”, segundo o próprio, e encontrou dificuldades para conseguir um novo trabalho.

“A primeira coisa que um empregador faz na hora de contratar é jogar seu nome no Google. O meu ficou ligado a esse episódio, não importa se estou certo ou não. Não sei como vou seguir a vida daqui pra frente”, disse à época.

Menos de um ano depois do episódio de Cafferty, o assessor internacional da presidência da república, Filipe G. Martins, sofre ameaças e vê sua vida de ponta cabeça após ousar arrumar o vinco do paletó usando o mesmo gesto.

Mas a reação da grande imprensa – do G1, inclusive – foi bastante distinta, desta vez.

Em tempo: o Grupo Globo viu seu faturamento cair 78% no ano de 2020 em relação a 2019. A culpa é da peste chinesa, eles dizem. Ok, então.


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Assuntos:
Avatar
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1