O ex-BBB Jean Wyllys, mostrando toda sua intelectualidade contra o que chama de "fascistas", acredita que só seu eleitorado paga seu salário.

Jean Wyllys, o ex-BBB alçado a deputado federal através do faro do PSOL para escalar celebridades relativas, gastou mais um tempo precioso forçando suas sinapses ao nível máximo na arte de conseguir passar vergonhas inenarráveis em 140 caracteres.

Desta feita, Jean Wyllys, o “professor universitário” que é na verdade um Big Brother Brasil, resolveu demonstrar todos os seus conhecimentos sobre economia, matemática, lógica elementar, política e cosmologia, espremendo tanto conhecimento no exíguo espaço outorgado pelo Twitter.

Ao ser perguntado sobre o seu indescritível salário (noves fora gastos de deputado), Jean Wyllys poderia ser coerente com seu credo socialista, defendendo da igualdade absoluta de resultados à força: poderia achar um absurdo, e dar seu salário para um fundo que cuide de pobres, para finalmente diminuir a tal desigualdade social que seu PSOL tanto critica.

Ao invés disso, Jean Wyllys disparou esta pérola de sabedoria aos gênios do futuro – que nós, porcos, não podemos desfrutar:

Jean Wyllys salário

Quanta humildade, respeito com o povo (alguém que quase certamente ganha menos do que ele), quanto recato de quem sabe que possui a verdade e quanta moderação de um gênio! Certamente alguém precisa se informar em vez de escrever asneiras! Certamente obra de um grande intelectual, talvez até mesmo um ex-BBB!

Como seria bom o mundo encantado e cor-de-rosa da realidade paralela em que Jean Wyllys gostosamente vive às nossas custas, onde apenas seus eleitores, via de regra com a inteligência e vida econômica de telespectadores de Big Brother Brasil, pagassem seu salário!

Se a página de Facebook Ajudar o povo de Humanas a fazer miçanga fosse um Telecurso 2000, ou um MOBRAL, poderíamos matricular Jean Wyllys para o deputado aprender a fazer contas, e descobrir embasbacado (mais ainda) que o povo inteiro paga o seu salário, e não só o DCE que o elege, cuja economia inteira está na informalidade e o contato mais próximo que possuem com mato afronta o Código Penal.

Lembrando que o ex-BBB Jean Wyllys já esfregou na cara da sociedade que o salário de deputado (R$ 26.723,13), mais cerca de R$ 100 mil por mês de gastos com alimentação, moradia, ponte-área na faixa, motorista, assessores etc, é o mesmo que o salário de um professor. É realmente um homem que tem tudo para defender a igualdade e os interesses do trabalhador brasileiro:

A propósito, também urge ao ex-BBB alçado pelas bênçãos da Rede Globo ao infeliz cargo de deputado, ao invés de ser um Bambam da vida, aprender também algo de Humanas, como o manejo e traquejo da língua portuguesa: “Quem o paga”? Alguém está usando Jean Wyllys como moeda de troca? Paga-se salário ao deputado, pagar o deputado implica que o próprio ex-BBB está sendo… bem, deixa pra lá.

Jean Wyllys, envergonhado, apagou o tweet. Talvez tenha ido se informar, em vez de escrever asneiras. A internet não esquece.

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

  • Feliciano Sodré

    Será que tem algum Advogado aqui “disposto” a usar isso a nosso favor para que Esse e outros Políticos tenham mais respeito para com o Povo !?

  • Feliciano Sodré

    Quem me dera se eu pudesse escolher o destino de todos os meus impostos, com certeza não iria para o lixo.

  • Juliana

    Cara ótimo texto. O Brasil acabou faz tempo. Eu ficaria menos triste se essa ameba do jean Willys lesse seu texto.

  • Luiz Soranço

    Por princípio da boa vontade…ele falou “Quem o paga […]” referindo-se ao salário, não ao deputado. “Quem paga o salário são seus eleitores”. É objeto direto, então o pronome oblíquo é “o” mesmo. Pior ficou essa indecisão, devidamente ironizada no título, entre dois pronomes possessivos.

    • Luiz, está certo, embora a sentença dele fique com duplo sentido. Dá pra forçar esse entendimento, though. Faz falta no português algo como o his, her, its, yours ou their, ainda mais com a confusão entre segunda pessoa (tu) e terceira (você, ele) que fazemos, mas a forma de ele “corrigir” foi realmente engraçada.

      • Luiz Soranço

        Nunca entendi qual é o problema é usar “dele”, “dela”…sempre fica esse formalismo de usar “seu” e o texto fica mais confuso

  • Vinicius Dias

    Ele falsificou um pouco os dados para comparar o salário mínimo, com os benefícios e com os quase 10k a mais de salário bruto, o deputado ganha muito mais que um deputado federal. Mas é verdade que o salário de professor universitário está na mesma grandeza que o de um deputado.

    O problema é que as pessoas consideram os salários de alguns professores do ensino médio baixos, aqueles que entram agora e não ganham nem 2k, nunca vi ninguém dizendo que professor universitário ganha pouco.

    Enfim, acho que essa parte poderia ser melhor esclarecida.

  • Fabio Silva

    A parte do erro de português não acho que procede. Em “quem o paga” o “o” não se refere a deputado. Nesse caso deveria-se usar o “lhe” . Mas acho que esse “o” se refere a salário (objeto direto). Sendo assim estaria correto. Penso eu.

  • Ilbirs

    Já que o ex-BBB falou que seu salário é pago só pelos 144.770 eleitores, isso significa que cada um daqueles que digitou 5005 está desembolsando todo mês um total de R$ 0,1845902465980521, de modo a completar os R$ 26.723,13. Sendo o salário o mesmo valor para todos os deputados, isso significa que por esse raciocínio os 464.572 eleitores de Jair Bolsonaro desembolsam R$ 0,0575220417933065, significando aí que o nêmesis do deputado do PSOL custa menos para quem nele votou em comparação ao baiano radicado no Rio. E aqui estamos fazendo apenas um cálculo grosseiro, pois não incluí quaisquer das verbas a quem um parlamentar tem direito.
    O problema para o cálculo acima é evidente e propositadamente falho para mostrar o grau da coisa, pois sabemos que o salário dos deputados vem dos impostos de toda a população. Considerando o gasto mensal de R$ 86.523.831,72 para salários e verbas de todos os deputados, temos de aí dividir por 200 milhões de compatriotas, o que significa que há gente por aí pagando por um Jean Wyllys no qual não votou nem votaria, mas que paga por isso. Sendo a Câmara dos Deputados uma entidade acima deste ou daquele parlamentar, significa ser uma daquelas despesas partilhadas por todos os brasileiros e que por princípio da razoabilidade está dentro dos desembolsos referentes à esfera federal, aqui desconsiderando se estamos desembolsando ou não em demasia por isso e apenas atendo-se ao princípio de uma república federativa com três poderes e um Legislativo bicameral.

    A incorreção do raciocínio do ex-professor de História inclusive dá margem para quem quisesse quebrar o sigilo do voto. Será que os 144.770 que pagam o salário dele gostariam de ser revelados em seu ato e cobrados mensalmente os supostos R$ 0,1845902465980521 que o deputado lhes custaria? Com certeza não e a coisa aqui inclusive esbarraria em um problema: na legislatura anterior o referido deputado foi eleito pelo coeficiente eleitoral, pois seus 13.018 votos eram insuficientes e teve a sorte de ir na puxada de Chico Alencar (240.724). Se formos fazer a tal conta de antes, ficaria difícil inclusive mensurar o quanto de pagamento do salário teria de ser creditado aos eleitores de Chico Alencar e quais desses eleitores devem ser separados para pagar o salário daquele que foi finalista com Grazi Massafera na quinta edição do BBB. Teríamos inclusive de perguntar se aqueles que quiseram Chico Alencar aceitariam pagar o salário de outro deputado para o qual não consentiram em votar, mas cujo volume de votos gerou a tal puxada que alçou a Brasília o filho da boa terra que fincou pés na Cidade Maravilhosa. Outra dificuldade seria saber quantos eleitores fluminenses que só votaram na legenda do PSOL precisariam entrar na vaquinha, mesmo que não tenham votado especificamente em um deputado.
    Dada a complicação toda, com certeza os eleitores de Jean Wyllys, o próprio Jean Wyllys e os eleitores de outros deputados preferem o modelo que conhecemos, que é mais simples e preserva o sigilo do voto (aqui não levando em conta se urnas da Smartmatic revelam ou não quem votou em quem).

  • Laura

    Teria sido uma boa ter usado o archive.is pra salvar o tweet dessa criatura iluminada.

  • Raimundo Lulo

    os 145 mil eleitores dele sao uns drogados improdutivos..

  • WillMDias

    ahahah

    Foi hilário e angustiante ver o vídeo da matéria.

    Que cidadão!

  • Jonny Hawkye

    A triste verdade é que todos pagam o salário dele! Por mim os seus “145 mil eleitores” que pagassem!

Sem mais artigos