Digite para buscar

Vê se me esquece

Hopi Hari exige “direito ao esquecimento” proibindo menções a morte

Além da caça a supostas "fake news", liberdade de imprensa enfrenta tentativa de censura a menções à morte de adolescente de 14 anos em 2012

Avatar
Compartilhar

O parque temático Hopi Hari perdeu, em primeira instância, uma ação na qual pedia “direito ao esquecimento” sobre um acidente ocorrido em 2012 em uma de suas atrações, que levou à morte uma adolescente de 14 anos de idade.

Em meio a um processo de recuperação judicial, a empresa pretende reabrir a atração com um novo nome e argumenta que toda notícia sobre o parque menciona o acidente, trazendo prejuízo à imagem da marca.

Por conta disto, a empresa solicitou à justiça que impedisse todas as “empresas de comunicação via rádio, televisão, internet e demais meios de comunicação do Brasil” de veicular informações sobre o acidente.

A juíza da 2a vara do Foro de Vinhedo, Euzy Lopes Feijó Liberatti, argumentou que o direito ao esquecimento é garantido apenas à pessoa humana, não podendo ser aplicado à Hopi Hari por se tratar de pessoa jurídica. A magistrada destacou que aceitar a ação seria o mesmo que impor censura à liberdade de imprensa.

“Além de se tratar de pessoa jurídica, a veiculação do fato do acidente, em si, e por si só, não representa ofensa a qualquer direito, posto que a premissa é de que pertence à história, não se podendo obstaculizar os meios de imprensa de abordá-lo, porquanto notório e verdadeiro, sob pena de se avalizar a ‘lei da mordaça'”, diz a sentença.

Com informações do site Jota.info


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Assuntos:
Avatar
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1