Digite para buscar

Herança bendita

Estratégia: Biden isenta taxas de produtos chineses

Governo defende "nova estratégia" nas relações com a China, critica política comercial de Trump mas mantém parte de taxas impostas pelo ex-presidente

Compartilhar
Biden isenta taxas de produtos chineses

O governo Biden anunciou uma nova estratégia nas relações comerciais com a China, incluindo isenções nas taxas de importação de produtos chineses, informou a Representação de Comércio Exterior dos EUA (USTR) nesta segunda-feira (04).

Foto: Joe Biden e Xi Jinping, 2015. Crédito: US Department of State

Na semana passada, a representante para o Comércio Exterior americana, Katherine Tai, fez um discurso anunciando as mudanças, em Washington (DC).

“Primeiro, nosso objetivo não é aumentar as tensões comerciais com a China ou aumentar a estratégia falha do governo anterior”, disse um alto funcionário do governo a repórteres no domingo durante uma teleconferência antes do anúncio de Tai.

De acordo com o anúncio oficial do USTR, os EUA iniciarão um “processo de isenções de taxas domésticas para mitigar os efeitos de certas tarifas (…) que não geraram quaisquer benefícios estratégicos e aumentaram os custos para os americanos.”

Como parte da nova estratégia comercial, o escritório do (USTR) revisará a primeira fase do acordo comercial assinado entre os EUA e a China em janeiro de 2020 e pedirá a Beijing que cumpra os compromissos assumidos.

O  acordo comercial de fase um assinado durante a administração Trump exige que a China contrate US$ 200 bilhões em bens e serviços dos EUA por um período de dois anos (2020 e 2021). A análise dos dados do comércio chinês pelo Peterson Institute for International Economics mostrou que a China cumpriu cerca de 58% de seus compromissos em 2020 e 69% até agosto de 2021.

Segundo o governo Biden, os resultados do acordo são mistos, sendo o setor agrícola o que mais se beneficiou. Beijing atingiu cerca de 92% de sua meta de importação para a agricultura, mas não cumpriu seus compromissos com bens manufaturados e energia.

Após uma revisão abrangente, o governo planeja usar o mecanismo de aplicação do acordo para garantir que a China cumpra esses compromissos.

“Em segundo lugar, iniciaremos um processo de isenção tarifária direcionada. Também nos manteremos abertos para novos processos de isenção no futuro”, disse o funcionário.

O presidente Joe Biden manteve taxas sobre quase US$ 360 bilhões em produtos chineses impostas pelo governo anterior.

Com informações de The Epoch Times


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Panela Store

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Assuntos:
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1