fbpx

Digite para buscar

Crime compensa

Biden quer pagar US$ 450 mil de indenização a imigrantes ilegais

Alguns processos podem superar valor pago a famílias de vítimas do 11/09; somadas, indenizações podem custar mais de US$ 1 bi aos contribuintes americanos

Compartilhar

O presidente Joe Biden pretende entrar em um acordo com imigrantes que processaram o governo após terem sido presos pelas autoridades na tentativa de entrar no país ilegalmente.

Segundo reportagem do Wall Street Journal, o governo americano estuda o pagamento de US$ 450 mil dólares a cada família que processou o estado. Em alguns casos, o pagamento pode atingir cerca de US$ 1 milhão, mais do que foi pago para familiares de vítimas dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

“Seria impensável pagar indenização a um ladrão que invadiu sua casa pelo ‘trauma psicológico’ que sofreu durante o crime”, disse o senador Tom Cotton (Partido Republicano) em um comunicado. “E, no entanto, o governo Biden quer recompensar os imigrantes que entraram ilegalmente em nosso país com até US$ 450 mil cada, exatamente por esse motivo.”

“As promessas do governo Biden de programas de cidadania e direitos já causaram a pior crise migratória da história – uma enorme recompensa em dinheiro torna tudo ainda pior. Este é o cúmulo da insanidade”, disse Cotton.

Nos processos, os ilegais alegam que a separação dos filhos com os quais chegaram à fronteira dos Estados Unidos com o México gerou problemas de saúde mental e traumas que eles lutaram para superar.

Legenda da foto: Mais de mil imigrantes ilegais são presos em El Paso, Texas, por agentes do controle de fronteiras, maio/2019.
Crédito: U.S. Customs and Border Protection (Governo dos EUA)
Com informações de Breitbart News

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Panela Store

Assuntos:
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1