Facebooktwittermail

datafolha

Nassim Nicholas Taleb, em seu imperdível livro Antifrágil: Coisas que ganham com a desordem (indicação de nosso colunista Martim Vasques da Cunha), comenta como lida com os “previsores” que falam como a economia ou o mundo estarão daqui a alguns anos: a primeira coisa a se perguntar é o que eles previram no passado, bem antes das coisas acontecerem, e comparar com o que aconteceu de fato.

Que moral possui um “visionário” econômico que não previu a crise de 2008, como o fez Peter Schiff, da Escola Austríaca, que nunca é citado na nossa imprensa, ao contrário de um “Nobel de Economia” como o cheio-de-desculpas Paul Krugman?

Se formos analisar os institutos de pesquisa “reconhecidos” do país, o resultado será desastroso. O Datafolha errou 63% (!) dos resultados para o primeiro turno das eleições de 2014. O Ibope chega perto deste glorioso índice.

René Girard, um dos maiores intelectuais da França, define como desejo mimético o comportamento gregário do homem: desejamos o que outros homens desejam. Se não temos dúvida sobre algo para o qual nos faltam informações para decidir, seguimos o que outras pessoas desejam – o instinto da espécie parece que fará com que a maioria sobreviva.

É por isto que estar em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto é algo tão importante: os votos dos indecisos, que chegam perto dos 30% (contingente o suficiente para mandar qualquer pessoa para o segundo turno, e mais do que o sobejantes para definir uma eleição no segundo), acabam caindo no colo do candidato à frente, e não de quem está atrás, ainda que crescendo.

Parece então que os erros do Datafolha obedecem a um padrão. Na verdade, quase sempre enxerga candidatos do PT ganhando de candidatos de outros partidos, mesmo quando isso não se concretiza. Não se conhece exemplos relevantes de erros do Datafolha apontando que um candidato petista está na rabeira, quando na verdade ele tem uma vitória acachapante nas urnas.

Os delatores da Andrade Gutierrez já afirmaram que pagaram de maneira irregular as despesas da campanha de Dilma Rousseff em 2010. O esquema de poder corrupto envolve empresas lucrando com contratos com o Estado (o que é o contrário de capitalismo), compra de votos de parlamentares (o que é o contrário de república livre com divisão de poderes) e a compra de intelectuais e artistas com “incentivos” e patrocínio de estatais (o que é o contrário de um sistema sem censura).

Faltava uma peça, entre outras: a compra do poder de se eleger, mesmo que o povo quisesse o oposto. O TSE, em decisão histórica, já deu voto unânime para investigar irregularidades (crimes) na campanha de Dilma em 2014, o que foi pedido pelo STF para ser anexado ao pedido de impeachment da presidente encampado por nossa colunista, a dra. Janaína Conceição Paschoal.

Agora temos outra: os delatores da Andrade Gutierrez também afirmam que pagaram por pesquisas eleitorais que mostravam Dilma na frente da corrida eleitoral em momentos importantes da campanha, segundo a edição desta quarta-feira do jornal O Estado de S. Paulo. Resume a Veja:

Segundo os onze executivos ouvidos, a empreiteira simulou contratos de 6 milhões de reais com a agência de comunicação Pepper para repassar verbas à campanha que elegeu Dilma. As dívidas de campanha foram quitadas a pedido do governador mineiro Fernando Pimentel (PT). A empresa é investigada na Operação Acrônimo, que tem como um dos alvos o petista.

A Operação Acrônico tem foco em Fernando Pimentel. “Acrônimo” é a junção das primeiras letras de um nome. O nome completo é Fernando Damata Pimentel.

Prossegue a reportagem:

Em 2010, a Pepper desempenhou papel decisivo na campanha de Dilma Rousseff, quando fez de tudo um pouco: da produção de conteúdo e organização da militância nas redes sociais ao pagamento, com dinheiro vivo, do aluguel do imóvel de luxo que servia de bunker para a coordenação petista. De coadjuvante, a agência de comunicação passou a protagonista, tornando-se uma ferramenta imprescindível para a solução de vários problemas. Vitorioso na eleição, o PT retribuiu a ajuda recebida e garantiu à agência contratos milionários custeados com recursos públicos.

Apesar de o Datafolha não ter sido formalmente citado, a Folha, que acompanha tudo da Lava-Jato e pega informações do concorrente Estadão sem o menor problema (naquilo que Rolf Kuntz chama de “autofagia jornalística”), simplesmente não noticiou o fato.

Talvez finalmente se explique por que os erros do Datafolha são tão grotescos, garantindo uma vitória fácil para Dilma Rousseff, quando, numa eleição com 7 viradas, ela quase não passa ao segundo turno, e ganhou de maneira tão espremida (se a eleição fosse na semana seguinte, já não teríamos 4 anos de Dilma Rousseff e o risco do seu impeachment).

São fatos que mostram por que o discurso de “aceitem as urnas” dos petistas simplesmente evaporou da discussão pública nos últimos meses.

Isto para não falar de o mesmo Datafolha dizer que a Av. Paulista tomada pela Parada Gay reuniu 3 milhões de pessoas, e a mesma avenida entupidíssima pelas manifestações contrárias a Dilma Rousseff “não terem muita adesão popular”, ficando com apenas 200 mil pessoas…

Contribua para manter o Senso Incomum no ar sendo nosso patrão através do Patreon

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais: