Revelações dos gastos com sorvete Häagen-Dazs na presidência de Temer chocaram a internet. Conheça alguns dos gastos de Dilma e Lula.

Facebooktwittermail

Causou furor na Internet a revelação dos gastos do presidente Michel Temer, envolvendo coisas como Nutella e sorvete Häagen-Dazs. As licitações para compra de alimentos da presidência revelaram uma verdade que o brasileiro parecia não conhecer: os impostos do trabalhador pagam algumas coisas razoavelmente luxuosas de nossos governantes.

Ou talvez nem isso tenha sido aprendido: a crítica social moderna, no tempo do sectarismo partidário e do fanatismo instantâneo e passageiro, se foca não no que você faz, mas sim em quem você é. As pessoas que ainda enaltecem alguma noção de certo e errado, um limite entre o que se pode e não se pode fazer, são pechadas como extremistas e obscurantistas.

Para a atual visão dos SJW – Social Justice Warriors, os guerreiros da “justiça social”, se você faz parte do partido A, você não tem leis a cumprir e pode fazer qualquer coisa. Se faz parte do partido B (ou, caso não faça parte, seja acusado de fazer parte do partido B), não há sobre você algo além de obrigações. Se elogiar é assédio, se não elogiar é machismo.

Ou, no caso do sorvete Häagen-Dazs de Temer, se for contra Lula é a classe média brasileira que não deixa um operário subir de vida e beber whisky com a conta paga por esta classe média, e se for o Temer ou algum adversário do PT (mesmo que Temer não seja um adversário do PT). Afinal, se os gastos de Michel Temer fossem revelados enquanto ele era ainda apenas o vice de Dilma Rousseff, como teria reagido a internet? Como os gastos devidos a um vice-presidente eleito democraticamente?

Como os sentimentos de um povo sem mito fundador são dirigidos hoje por leitores de manchetes, que nunca pesquisam, averiguam, sopesam, comparam, investigam nem muito menos desconfiam de manchetes. Toda uma metafísica é criada tão somente com manchetes encavaladas, jogadas sem hierarquia.

Assim, Michel Temer parece ser o presidente que, além de não ter sido eleito (wrong), não se preocupa em malversar o dinheiro do brasileiro. Mas nenhum jornal ousa, mesmo no texto que ninguém lerá escondido por detrás de uma manchete pega-trouxa, comparar os gastos com outros presidentes. Enquanto o sorvete de Temer pode ser pago com um Bolsa-Família, alguns luxos de Dilma exigiriam o dinheiro de um Marcelo Odebrecht.

Como quando Dilma Rousseff malgastou € 125.990,00 (R$ 324 mil) em uma viagem semi-turística a Roma a fim de conhecer o novo papa. Não-católica e discípula da pouco conhecida Nossa Senhora de Maneira Geral, em um ano eleitoral, levou até o então ministro da Educação, Aloizio Mercadante, com quem sempre viajava. O jornal espanhol ABC, acostumado com as exuberâncias do rei Juan Carlos, se assustou com o “socialismo” de Dilma: 52 quartos de hotel e 17 carros. Na embaixada brasileira? Não, Dilma não quis o luxuoso prédio: preferiu um hotel cuja diária da suite não sai por menos de 6 mil euros. Como informou o Ucho.Info:

O valor informado pelo Itamaraty por si só é um descomunal absurdo, mas a conta que cabe aos brasileiros é ainda maior porque há o custo do deslocamento do avião presidencial. Considerando apenas os R$ 324 mil, o entourage palaciano conseguiu a proeza de torrar em uma saída para a missa o equivalente a 478 salários mínimos, montante que um reles trabalhador demoraria quarenta anos para conseguir.

Levando-se em conta que Dilma Rousseff descobriu a fórmula mágica de derrotar a miséria com R$ 80 mensais, o valor gasto em Roma seria suficiente para manter 38 pessoas, durante dez anos, longe da chamada linha da miséria extrema.

Pouco depois, em Nova York, Dilma se hospedou na luxuosa suíte assinada pela Tiffany and Co. A suíte é equipada com três quartos, lustres de cristal na sala e equipe de mordomos que falam português. Conforme escrevi à época no Implicante:

A brincadeira sai pela bagatela de pouco mais de US$ 10 mil, ultrapassando os R$ 22 mil reais. Por dia, durante uma semana. Nada mal para uma presidente que “tirou 13 mil famílias da miséria” lhes dando R$ 2 reais por mês. 0.00909090909% do que está gastando por dia em Nova York. Aquilo que foi festejado no R7 com manchetes como “Governo Lula conquista os ricos para tirar 24 milhões da miséria”.

Em Nova York, os gastos de Dilma foram de 32,5 salários mínimos por diaDilma já considerou que uma suíte presidencial de 81 m² é “acanhada”. Dilma já evaporou US$ 121,3 mil só em hospedagem e diárias de servidores em Atenas. Para o jantar de trabalho da presidente e comitiva em Granada, a embaixada pediu € 4.000. Algo comparável ao sorvete de Temer?

Alguém aí consegue se lembrar do whisky de Lula? Ou dos caríssimos charutos cubanos que Delúbio Soares acendia numa sala e, se tivesse reunião em outra, acenderia outro para manter um aceso em cada ambiente, conforme relatou o próprio Leonardo Attuch do Brasil 247 no livro A CPI que abalou o Brasil (livro que evaporou das livrarias após Attuch se tornar mais petista do que Lula)?

Novamente, não se trata do que Michel Temer faz, mas de quem Michel Temer é. Fosse um aliado petista, poderia trocar Nutella e sorvete Häagen-Dazs, marcas acima da classe média baixa, mas nada incomum para o brasileiro, por marcas incrivelmente mais caras, como suítes da Tiffany, sem um pio da militância. Que, hoje, é composta sobretudo por escritores de manchete, para fomentar a hipersensibilidade, a capacidade de reagir sem refletir e o fanatismo abobalhado de leitores de manchete.

Note-se ainda que as licitações, incluindo o sorvete Häagen-Dazs (pote que pode custar cerca de R$ 20), não são feitas por Michel Temer. O presidente pode vetá-las. Ele o fez. Pergunte-se quantas vezes Dilma ou Lula fizeram o mesmo. O único caso a se lembrar foi de quando Dilma, após muita pressão e a contragosto, cancelou a compra de talheres de R$ 250 mil para o Planalto (sic).

Por fim, alguém aí cogitou, como reação imediata e poveneada sobre tal manchete, diminuir o tamanho do Estado? Cortar custos de operação, inclusive em áreas em que parece que cada centavo seria usado apenas para o bem comum, e não para coisas supérfluas, inúteis ou mesmo nocivas, como saúde e educação? Ou, mesmo depois dessa, o assunto ainda é tabu, a “ortodoxia” liberal deve ser criticada pelos nossos gastos com educação (por que será que esse ciclo existe?) e devemos tratar o caso como outra manchete a nos assustar e não formarmos um todo coerente de pensamentos hierarquizados?

—————

Não perca o artigo exclusivo para nossos patronos. Basta contribuir no Patreon. Siga no Facebook e no Twitter: @sensoinc