A Câmara dos Deputados já aprovou projeto que pode proibir o Uber no Brasil. Algo pode ser pior do que um político definindo o que é bom?

Passou, na Câmara dos Deputados, um projeto de lei que “regulamenta” os aplicativos de carona (como Uber, 99 ou Cabify) em todo o Brasil. Na prática, a “regulamentação” do serviço pelo projeto de lei significa que aplicativos de caronas pagas, como o Uber, se tornarão proibidos, a não ser que se tornem taxis, controlados por sindicatos e mais políticos.

Sistemas de carona paga como o Uber, 99 ou o Cabify são fáceis de entender para o leitor médio. Mais difícil de explicar é o que de bom pode vir da Câmara dos Deputados, a despeito de todo aquele belo discurso sobre “escolhemos nossos representantes” e “democracia” que aprendemos na escola. Não é preciso ler notícias para inferir que o projeto é de autoria de algum petista de sobrenome chic (no caso, Carlos Zaranatti, de São Paulo).

Em um momento em que o país passa por uma crise econômica como só vista nos anos Sarney/Collor, é fácil saber quem está melhorando a vida de um povo sofrendo de desemprego: apps como Uber, 99 e Cabify ou a Câmara dos Deputados.

Basta preencher os slots dos “representantes” com alguém cujo único trabalho é nos obrigar ou nos proibir e o discurso abstrato, assim que se torna mais concreto, parece um pouco menos interessante.

Na prática, o projeto de lei da Câmara dos Deputados, ávidos por justificar seus emolumentos, determina pela população o que é uma carona aceitável e o que não é. O próximo passo, provavelmente, virá na forma de um projeto de lei proibindo que se fale com estranhos.

Tal como as pessoas se assustam quando economistas não-ideológicos falam em “economia de mercado”, acreditando que o mercado seria uma espécie de kraken de mil tentáculos controlando toda uma nação sozinho, sem perceber que o mercado são justamente as próprias pessoas, livremente, aqui também há a tentativa da Câmara dos Deputados (o kraken cheio de tentáculos ele próprio) tentando “regulamentar o mercado” para o bem das pessoas (o próprio tentáculo). Soa lindo em discurso: basta ser concretizado para se perceber que nem só de cacoetes acadêmicos vive o homem.

Resta voltar à filosofia do Senso Comum, tão incomum nestes dias: o que qualquer pessoa ganharia “regulamentando” o Uber, o 99, o Cabify e outros aplicativos, além de sindicatos violentos e políticos ávidos por aumentar a crise, ao dificultar um ganha-pão e entupi-la de impostos “regulamentais” e “distributivistas”, que só irá encher seus próprios bolsos? Claro que tais políticos não precisam se preocupar com Uber, 99, Cabify e afins, tendo mais de 17 mil por mês em verbas de gabinete, pagas com os impostos do trabalhador (tanto o que paga Uber quanto o que dirige).

Apesar do discurso mavioso, basta pensar no que significam palavras adoradas, como “regulamentação”, e palavras odiadas, como “mercado”, para entender o que está em jogo, e por que os nossos grandes inimigos gigantes da adolescência podem se mostrar meros moinhos de vento após uma olhadela mais cuidadosa.

O que políticos querem com “regulamentação” é apenas o dito alemão atribuído a Lenin: „Vertrauen ist gut, Kontrolle ist besser“. A confiança é boa, mas o controle é melhor. A despeito de toda a verborragia sobre “ditadura” e “liberdades individuais”, basta pensar rapidamente no que temos na realidade, ao invés do mero discurso, para perceber que o gigantesco Estado-Babá criado por políticos e pela ideologia de esquerda é que quer controlar até como vamos para casa. Quem regulamenta a Câmara dos Deputados?

Alguém está ganhando com o controle autoritário sobre Uber, 99, Cabify e similares. E definitivamente não é o povo.

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

  • WillMDias

    Perfeita análise.

    Monopólio, serviço ruim (em grande maioria), politicagem e o pior de todos, a mamata nas mãos dos sindicatos.
    Estes ganham muito e continuarão a ganhar.

    É complicado.
    Viver no Brasil cansa.

  • Marcos Paulo Rossetti Candelor

    No Brasil é assim: o mesmo congressista que vota pela terceirização modernizante é o cara que trava burocraticamente o revolucionário Uber em prol dos sindicatos de taxistas (!). É a capivara roendo a cartucheira. Revolta da imprensa e opinião pública? Que nada! Permanecem na masturbação dos “ismos” sociais em torno de um ator babaca. Enquanto isso, o muro sobe em cima do gato nessa terra de absurdos banais. Cadê meu Rivotril?

Sem mais artigos