Paste your Google Webmaster Tools verification code here

A professora da creche Heley Batista, que se sacrificou para salvar crianças do incêndio, deve ser lembrada como a heroína que foi.

A professora Heley de Abreu Silva Batista, da creche em Janaúba, no norte de Minas Gerais, deu a própria vida para salvar a de crianças que podem ter se salvado graças a seu heroísmo.

PUBLICIDADE

Um vigia noturno que perdeu o emprego e já apresentava transtornos mentais há tempos ateou fogo no Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, matando 9 pessoas, a maioria crianças na faixa dos 4 anos.

As tragédias gregas narram atos de homens capazes de ações por demais superiores às dos comuns dos homens, e por isso são vistos como modelos de ação, virtude e grandiosidade para os homens. Não é qualquer morte, portanto, mesmo a mais horrenda, que merece o epíteto de “tragédia”.

A professora Heley de Abreu Batista, em seu último ato de vida, se mostrou uma pessoa muito maior do que nós. Uma verdadeira heroína, que se preocupou mais com a vida da Gente Inocente que cuidava do que consigo própria. Até mesmo para a aristocracia grega, seu ato só pode ser chamado de heróico, e sua morte, uma verdadeira tragédia, capaz de levar às lágrimas até mesmo quem nunca a conheceu.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Heley Batista tinha 43 anos, era casada e deixa 3 filhos, um deles, um bebê de um ano. A professora da creche teve 90% do corpo queimado ao salvar crianças das chamas criminosas.

De acordo com testemunhas, vigia noturno e vendedor de sorvetes Damião Soares Santos, de 50 anos, atraiu as crianças prometendo sorvetes, e as abraçou com o corpo em chamas. A professora Heley Batista protegeu as crianças com o próprio corpo, entrando em luta corporal com o vigia, salvando algumas crianças passando-as por cima da janela.

PUBLICIDADE

O Brasil é um país que, infelizmente, não cultiva heróis. Nosso conceito de heroísmo é importado, ou pasteurizado como se dependesse de gincanas de programas televisivos ou reality shows. Não temos estátuas, não estudamos a vida e rendemos homenagens pela história daqueles que lutaram para que estivéssemos vivos, como filhos de sobreviventes de atos horrendos.

Enquanto temos como valores o puro hedonismo, e nos preocupamos com situações comezinhas, como discussões de internet ou aceitação de prazeres alheios, esquecemo-nos das grandes virtudes da vida, que nada têm a ver com ideologias, política ou supostos preconceitos. A virtude de salvar a vida de crianças pequenas, por exemplo, num gesto de amor, paixão e auto-sacrifício que nos justifica como humanos.

A professora da creche Heley Batista não deve ter sua memória esquecida. Deve ser lembrada como uma legítima heroína do Brasil. Não temos mais as figuras dos santos em um ambiente secularizado e materializado até os limites do ridículo, nem louvamos heróis e virtudes como a coragem, a fortaleza, a fé, a caridade e a esperança, tratadas como “obscurantismo” e mesmo “preconceito”: mas são elas que movem atos de tamanha grandeza admirável como o de Heley Batista.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Mesmo sem bardos a cantar as histórias de heróis cujos nomes há muito se perderam nas brumas do tempo, mesmo sem o epos e as poesias cantando lendas de mártires que se sacrificaram para fazer o bem triunfar sobre o mal, mesmo sem romances sobre guerreiros valentes cuja grandiosidade só pôde ser admirada post mortem, devemos lembrar de Heley Batista como uma heroína, e não deixar que sua história seja apenas uma notícia lida como uma fatalidade do arranjo social.

Antes da creche, a professora Heley Batista já havia enfrentado a adversidade da morte de crianças, quando seu filho de 4 anos morreu afogado em um clube da cidade.

É de heróis como a professora Heley Batista que a humanidade precisou para sobreviver com glória e histórias admiráveis para contar.

—————

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Conheça o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern pelo Instituto Borborema para aprender como a política se faz pelo controle da linguagem e de sentimentos.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Compre o filme O Jardim das Aflições, sobre a obra do filósofo Olavo de Carvalho, por este link. Ou a versão estendida, com mais de 12 extras, por aqui.

  • Ilbirs

    E depois da tragédia de Janaúba, temos agora a de Goiânia, em que um aluno de 14 anos entrou na escola onde estuda e a bala matou dois e feriu outros quatro. Para mim fica nítida a impressão de que o adolescente em questão de alguma forma se sentiu inspirado pelo ocorrido na cidade mineira e quis fazer sua chacina usando uma pistola .40 em vez de pegar fogo. Só pôde ser contido quando recarregava a arma.
    Para mim fica evidente estarmos falando de alguém desequilibrado o suficiente para se importar com o fato de que era chamado de “fedorento” por não passar desodorante, ao meu ver tão desequilibrado quanto o vigia que ateou fogo ao próprio corpo, mas aqui com a diferença de que de alguma forma quis sobreviver para contar a história, podendo aí ser um psicopata que deseja que os outros saibam de sua obra talvez como forma de impor medo a seu entorno. Consigo ver um ponto de união entre as ações, com a de Janaúba tendo encorajado essa de Goiânia.

  • Temos muitos heróis fabricados, para atender aos interesses dos grupos que tomam o poder (e a caneta). Se formos passar uma limpa, só d. Pedro I sobra – e olhe lá.

  • Guilherme Milone Silva

    Flávio, fica a pergunta: onde está o reconhecimento dos idiotas úteis que se enlutaram com a morte de Fidel ou que fizeram menção honrosa aos 50 anos da morte de Chê Guevarra?
    Será que Temer compareceria ao funeral da professora para mostrar ao Brasil o valor do heroísmo? Isto para não falar no estúpido do Jean Wyllys ou da cobertura de destaque da Globo News.

  • Odilon Rocha

    Espetacular texto, Flávio, em memória da incomum Professora Heley Batista.
    Palavras mais do que merecidas.

  • Mayson Ricardo Batista Figueir

    Mais um texto brilhante!!

  • Rafael

    Me lembro do indigente que partiu para cima de um bandido armado e salvou a vida de uma refém, em SP capital

  • Rach

    clap clap clap!

  • Detalhe interessante: ela recebeu a Ordem Nacional do Mérito, reservada aqueles que merecem ser chamados de heróis. Uma verdadeira nobre, sem dúvida.
    http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-10/professora-que-morreu-ao-salvar-criancas-em-janauba-recebe-ordem-do-merito

  • Italo Santtanna

    Heroína do Brasil.

Sem mais artigos