Paste your Google Webmaster Tools verification code here

Traficantes armados até os dentes enfrentam a polícia, e um garçom morre no meio do tiroteio. Para o G1, culpa da "perseguição policial".

É o padrão do G1, o portal da Rede Globo: sempre que houver assassinatos no Rio de Janeiro e um policial estiver por perto, a machete será feita de maneira a dar a entender que um policial matou alguém inocente no meio da rua. Agora, foi uma “perseguição policial” que matou um garçom.

PUBLICIDADE

O G1 inicia o texto de uma notícia sobre o fim de semana dizendo que “Um intenso tiroteio próximo à dispersão de um bloco de carnaval resultou na morte de um homem e outras três pessoas baleadas”. A polícia parece ter começado a dispersar um bloco e acabou matando gente.

Jornalistas sabem que 90% das pessoas lêem apenas o título, e a maioria de quem lê o restante pára no primeiro parágrafo para tirar suas conclusões. A explicação do comportamento da polícia ficou escondida num bloco de texto posterior, lido basicamente por quem está interessado na notícia local (provavelmente quem mora na Tijuca). Só lá é que se lê:

Segundo informações da Polícia Militar, traficantes da Favela da Rocinha, em São Conrado, Zona Sul da cidade, fortemente armados, estavam a caminho do Morro da Formiga, na Tijuca.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Acionada, a PM tentou interceptar os criminosos e houve perseguição seguida de uma intensa troca de tiros entre os militares e os bandidos. Tudo ocorreu na Rua Conde de Bonfim, uma das principais vias do bairro.

Título, subtítulo, primeiro parágrafo… nada disso comenta do iniciador do problema: meros traficantes fortemente armados, esse detalhe da vida no Rio que nem merece alguma atenção do G1.

PUBLICIDADE

Depois de uma imagem gigantesca, que parece encerrar a quantidade de texto, aí podemos ler o que o título, digamos, “tenta” explicar:

No tiroteio, um garçom que trabalhava no Bar do Pinto foi atingido poruma bala perdida e morreu na hora. Três outras pessoas também foram atingidas: uma passageira num veículo de transporte por aplicativo, que foi baleada no braço; um PM, atingido na perna; e outro militar, que teve ferimentos na perna e no ombro.

Ora, de acordo com o título da reportagem, foi uma “perseguição policial” que causou a morte do garçom. Só depois de muito texto, foto e disfarce, vemos que, na verdade verdadeira, tinha uns certos traficantes armados até os dentes tacando o terror (informação que não pareceu importante), e que a “perseguição policial” foi a tais traficantes, e que ainda por cima não se sabe quem disparou: se a polícia, que não parece que atiraria em um garçom a troco de nada, ou se um dos traficantes, que fizeram com que a polícia precisasse atirar. Hipótese que nem passa pela cabeça de quem só lê o título.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Se quisermos mais umas dicas do que pode ter ocorrido, e da maldade que o G1 parece esconder para só deixar como negativa a atuação da polícia e sua “perseguição”, podemos ler apenas no fim da matéria:

Um dos policiais foi levado para o Hospital Federal do Andaraí, em bairro próximo, e o outro para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio. Ambos, segundo a corporação, estão fora de perigo. Ainda não há informações sobre a identidade ou o estado de saúde da passageira atingida.

Durante a perseguição, o carro em que estavam duas jovens foi usado como escudo pelos suspeitos e baleado mais de 15 vezes por tiros de fuzil. As duas não sofreram ferimentos. Houve ainda colisões entre os veículos em que estavam os bandidos e dois táxis que estavam na rua.

Por que, de repente, ficamos com uma sensação invertida da que tivemos ao só passar os olhos pelo título da matéria?

—————

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Sem mais artigos