Eleições 2018

Dilma ameaça se candidatar ao Senado por Minas Gerais

Decisão confirma rompimento entre PT e MDB no Estado após longa novela

Publicidade

Após meses de especulação sobre sua candidatura em 2018, Dilma Rousseff (PT) enfim anunciou que vai tentar uma vaga de senadora por Minas Gerais. A declaração foi feita na noite desta quinta-feira (28).

A decisão dependia de uma negociação entre o PT e o MDB, aliados há muito tempo no Estado. O presidente da Assembleia Legislativa de Minas, Adalclever Lopes, foi um dos mais fiéis aliados do governador Fernando Pimentel durante seu mandato.

Já o vice-governador Antônio Andrade (também do MDB) teve comportamento diferente. Em 2016, depois que Pimentel foi denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pela Operação Acrônimo, Andrade declarou-se “pronto” para assumir o cargo caso o governador saísse. Em maio de 2017, Andrade rompeu publicamente com o governo Pimentel.

Andrade, então, passou a advogar por uma separação entre MDB e PT nas eleições de 2018.

A candidatura de Dilma ao Senado passou a ser ponto-chave nessa questão. O MDB acreditava que o PT estava sendo muito fominha, e, em troca do apoio à reeleição de Pimentel, deveria apoiar ao Senado candidatos indicados pelo MDB, como o próprio Adalclever. O PT insistiu em Dilma.

Pimentel e o MDB chegaram a ensaiar reaproximações por interesses eleitorais. Até o lançamento da pré-candidatura de Lula, realizado no começo deste mês em Contagem (MG), não estava definido se PT e MDB estariam no mesmo palanque para a sucessão de Pimentel.

Não custa lembrar que Dilma nem deveria ser candidata, a menos que se tenha um entendimento bem esquisito da palavra “com” neste trecho do Artigo 52 da Constituição:

(…) a condenação, que somente será proferida por dois terços dos votos do Senado Federal, à perda do cargo, com inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais cabíveis.

Ao sofrer impeachment em 1992, Fernando Collor perdeu os direitos políticos por oito anos. Só voltou a se candidatar em 2000, quando tentou ser prefeito de São Paulo. A candidatura foi cassada pelo TSE. Sabem por quê? Porque a decisão do Senado impedia Collor de exercer função pública até 29 de dezembro de 2000 – antes, atenção, da data de posse do prefeito.

—————

A revista Senso Incomum número 3 está no ar, com a reportagem de capa “Trump x Kim: Armas nucleares, diplomacia e aço”. Assine no Patreon ou Apoia.se!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Faça os cursos de especiais para nossos leitores de neurolinguística empresarial e aprenda a convencer e negociar no Inemp, o Instituto de Neurolinguística Empresarial!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Sem mais artigos