Xing Ling

Nós votamos no PSL para não deixar o PT nos vender pra China como alguns deputados do próprio PSL tentaram

A comitiva de deputados do PSL que foi à China só recebeu críticas, demonstrou sua brutal ignorância geopolítica e a irresponsabilidade de suas respostas vai lhes custar a carreira

zO PT adora alardear números de economia de quando o Brasil estava indo “bem” – id est, quando a economia estava crescendo, o que é ótimo para investidores, mas nem sempre significa o que parece na prática: melhor viver num país 100% crescendo a 0,1% ao ano do que num país 5% crescendo a 7% (de 5) ao ano. Todo o grande segredo do PT para apresentar números lindos que só descreviam o paraíso para investidores e para jornalista repetir sobre PIB sem ninguém entender era simples: vender o país para a China. A China, que está comprando todo o planeta sob o mando do Partido Comunista.

Nessa semana, descobriu-se que uma comitiva de deputados do PSL, o partido de Bolsonaro, foi à China com tudo pago pelo Partido Comunista Chinês (não se analisou bem se é pior ter uma viagem dessas paga com dinheiro do pagador de impostos brasileiro ou do PC chinês). O pretexto da viagem seria “conhecer” o país e “soluções de tecnologia” (chinesa), além de analisar turismo e outras desculpas do gênero. Sob o nome fantasia, a razão social envolvia a apresentação de um sistema de reconhecimento facial chinês, supostamente usado para achar criminosos.

Usada em aeroportos brasileiros, o país que mais sofre com o crime no mundo, a tecnologia não venderia apenas nossa economia para a China, como o PT fez: começaríamos a ser fichados por uma empresa chinesa em aeroportos, um cenário que supera George Orwell em controle estatal.

A empresa é a Huawei, de uma das famílias mais ricas da China. A filha do clã, Meng Wanzhou, foi presa no Canadá a pedido dos EUA sob a suspeita de dar ao Irã informações sobre as sanções americanas ao regime dos ayatollahs assassinos. Donald Trump pediu pela proibição do uso de celulares da empresa na América, pois a Huawei instalou backdoors em seus dispositivos que permitiam ao Partido Comunista espionar os usuários.

Na Polônia um executivo da Huawei foi preso também sob acusação de espionagem. A empresa tem uma sede também em Düsseldorf, na Alemanha, que está pensando em banir o uso de equipamentos da Huawei em redes 5G, também por questões de segurança.

Os deputados do PSL foram chamados de “semi-analfabetos” por Olavo de Carvalho, que apoiou ao menos um deles, Carla Zambelli. Olavo falou o nome dos deputados, um a um:

Carla Zambelli, Daniel Silveira, Tio Trutis, Felício Laterça, Bibo Nunes, Charlles Evangelista, Marcelo Freitas, Sargento Gurgel e Aline Sleutjes, a deputada estadual Delegada Sheila (PSL-MG), todos do PSL, e Luís Miranda, do DEM, além da senadora eleita Soraya Thronicke.

“Instalar esse sistema nos aeroportos brasileiros é entregar ao governo chinês as informações sobre todo mundo que mora no Brasil. Especialmente, alguns refugiados chineses que estejam aí. A partir da hora que esse negócio for instalado, esses refugiados chineses podem se considerar mortos.”

As respostas de Carla Zambelli e Alexandre Frota, que saiu em defesa da trupe, foram um desastre: Zambelli chegou a pedir para ser aplaudida por ter ido a Israel e planejar ir para a Coréia do Sul, além de dizer que ainda não visitou a empresa e que não tem poder de nada como deputada. Entretanto, informa o Sputniks, a viagem oficialmente envolve um projeto de lei a ser apresentado ainda no primeiro semestre. A genialíssima proposta envolve a implantação da tecnologia da Huawei em locais públicos nas cidades brasileiras.

Além de desconversarem, os deputados passaram a defender a China (reler com pausas dramáticas: deputados. do PSL de Bolsonaro. passaram. a defender. a China.) em vídeos xingando seus próprios eleitores (além de Olavo de Carvalho, é claro). Os argumentos são no nível “perguntei a um representante do governo chinês se há campos de concentração aqui e ele disse que não” e “Claro que a Huawei foi processada nos EUA, porque é a principal concorrente”, ou “eles são extremamente capitalistas, mas o governo sim é comunista”. Ou a pérola da semana: “a China é mais light, é um socialismo” (sic). O advogado de Alexandre Frota,

O fato é que esses deputados do PSL não foram defendidos por praticamente ninguém a não ser por eles próprios. Pior: o PSL, que nem é exatamente um partido político de fato no sentido estudado na ciência política (como o de Robert Michels), tinha como verdadeira vantagem um diálogo mais próximo com os eleitores, já que a maior parte chegou ao partido apenas para disputar as eleições de 2018, e precisavam de um partido. Seu trato com o público era muito mais direto, via redes sociais.

Agora, tratando seu próprio eleitorado como idiotas, xingando-os de todos os nomes em transmissões que são tratadas como piadas, apenas dão azo para a esquerda tirar sarro da direita, e ainda rompem o canal que tinham com o público. Afinal, nós votamos no PSL justamente para evitar que o PT ou um Ciro Gomes nos entregasse para os desejos de dominação do Partido Comunista Chinês. Aí vão lá uns deslumbrados e carreiristas sem conhecimento estratégico nenhum do próprio PSL e tentam transformá-lo em “Partido Socialista Light”, e fazem mais rapidamente ainda o que nem o PT teve coragem de fazer.

A falta de cultura já está gerando a política Xing Ling.

—————

Para entender como lidar com o novo vocabulário político, confiram nossa revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Sem mais artigos