Mentalidade esquerdista

Quem está usando a morte como palanque?

Independente do espectro político, não existe nada mais degradante do que a exploração política da morte de uma pessoa, principalmente quando se trata de uma criança.

Publicidade

O Brasil precisa de muitas coisas. Mas antes de tudo, precisa “aprender a ser gente” (como diria Roberto Carlos). Independente do espectro político, não existe nada mais degradante do que a exploração politica da morte de uma pessoa, principalmente quando se trata de uma criança.

Basta dar uma olhada no Twitter nos últimos dias para constatar que a miséria brasileira vai muito além de ideologias políticas. Porém, choca mais ainda o fato de que muitas vezes essa postura vem, não de haters isolados – que existem no mundo todo – mas de líderes partidários e até mesmo dos seus parentes.

A comunista Jandira Fengali, por exemplo, não perdeu a oportunidade de transformar o falecimento do neto do ex-presidente Lula em um ato de desagravo:

O próprio ex-presidente Lula, não deixou de tocar no tema político ao dizer:

“ vou provar a minha inocência e quando eu for para o céu, eu vou levando o meu diploma de inocente”.

“Vou provar quem é ladrão neste país e quem não é. Quem me condenou não pode olhar nos olhos dos netos como eu olhava para você”

Paulo Okamoto, presidente do instituto Lula, se referiu à cerimônia nos seguintes termos: “Nem todos vocês que vieram vão poder participar da FESTA”, conforme vídeo abaixo:

Não foi a primeira vez que Lula e seus companheiros fizeram esse tipo de papel. No enterro de sua esposa, Marisa Letícia, aconteceu o mesmo, assim como no funeral de seu irmão. Esperava-se que desta vez, pela proximidade com o neto e pelo fato de ser uma morte trágica e traumática até para pessoas que não são do círculo familiar, as coisas fossem diferentes. Não foram.

Quando se perde a consciência do próprio fim, perde-se a própria humanidade. Quando vida de um menino se torna um meio para um projeto de poder político, é sinal de que a miséria já tomou conta dessas pobres almas de um jeito irreversível. Que Deus tenha misericórdia desse menino. Que tenha misericórdia de todos que o estão usando como instrumento político. E que o Brasil possa aprender a colocar cada coisa em seu devido lugar. Há a hora de atacar, há a hora de criticar, há a hora de silenciar e há a hora de rezarmos pelos que se foram e chorarmos juntos pelo que temos em comum: nossa finitude.

—————

Para entender como lidar com o novo vocabulário político, confiram nossa revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Sem mais artigos