Sem noção

Turista australiano sobe morro, toma cerveja e aprende a usar armar com traficantes

"Bebemos algumas cervejas, me mostraram como usar armas, compartilhamos músicas, histórias e técnicas de luta", contou Cary

O Turista australianos Hugo Stanley-Cary decidiu visitar algumas favelas do Rio de Janeiro. Enquanto estava no bairro mais boêmio da região, Lapa, pediu ao motorista do aplicativo que o levasse na “favela mais perigosa de todas”.

Os bandidos da região acharam que era um policial, mas Cary conseguiu convencê-los de que não era um agente da lei disfarçado. Uma noite de bebida e muito funk. Os traficantes ainda mostraram as suas armas, técnicas de luta, além de várias histórias.

Depois do mal-entendido, eles foram legais comigo. Bebemos algumas cervejas, me mostraram como usar armas, compartilhamos músicas, histórias e técnicas de luta. Às 9h, me levaram até a saída, mas não quis ir embora — contou Cary.

Depois foi encontrado bêbado numa viela qualquer do complexo do Alemão. Os moradores chamaram o jornalista Rene Silva, da Voz das Comunidades, para ajudar na comunicação:

 Ele contou que estava no Brasil de férias, e eu disse que ele tinha que ir embora, porque aquela área era perigosa. Havia cerca de 20 moradores em volta dele, protegendo-o para não ser roubado

 

Brasil não é terra para amadores.


Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Não perca o curso Ciência, Política e Ideologia em Eric Voegelin, de Flavio Morgenstern, no Instituto Borborema!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Assine o Brasil Paralelo e tenha acesso à biblioteca de vídeos com mais de 300 horas de conteúdo!

Sem mais artigos