Digite para buscar

História

Por que a esquerda não comemora a queda do Muro de Berlim?

A esquerda trata qualquer crítica ao comunismo como "conspiração". Diz que não é comunista. Mas por que não comemora o fim do chamado "Muro Antifascista" (sic)?

Avatar
Compartilhar

Neste mesmo 11 de novembro, em 1989, caía o Muro de Berlim, uma das maiores atrocidades da humanidade. Foi o único muro do mundo criado para impedir que as pessoas saíssem de um lugar.

Com a fuga em massa do povo do opressor regime socialista da Alemanha Oriental para o país capitalista mais próximo – a própria República Federal Alemã, que teve uma curta sede em Bonn enquanto Berlim e o leste do país se tornavam um satélite stalinista – seu primeiro ditador socialista, Walter Ulbricht, sentiu necessidade de criar uma “proteção” (a si próprio) que impedisse o povo de fugir de sua prisão socialista.

A Alemanha, não sendo uma ilha como Cuba, e próxima demais do paraíso capitalista para não ter deserções em massa (civil e militar são quase sinônimos no comunismo), tinha um dilema com sua fronteira.

 

Em uma conversa com ninguém menos do que Mao Tsé-tung, o maior genocida em números da história mundial, recebeu deste uma idéia inspirada na própria Muralha da China, tesouro ancestral de seu país: criar um muro gigante fechando a sua capital ao restante do mundo (e até ao lado ocidental, rico e funcional da própria cidade).

Com os boatos provocados, Ulbricht iria à TV em 15 de junho de 1961 para garantir a seu povo: “Ninguém tem a intenção de criar um muro”. O povo, sem opção de livre concorrência no regime estatalizante socialista, foi obrigado a permanecer preso.

Entupido de guaritas e escavando gigantescos fossos (quase uma aplicação da teoria keynesiana de economia social-democrata, um “Estado de bem-estar social”), o muro foi construído às pressas da noite para o dia e em segredo, na madrugada do dia 13 de agosto de 1961.

Eram 43 km de fronteira com até 3,6 metros de altura, 302 torres, 20 bunkers e 259 recintos para cães perseguirem fugitivos. Mais de 100 mil alemães fugiram para a Alemanha ocidental de alguma forma. Os números de mortos em tentativas de fuga são incalculáveis até hoje. As mortes podiam ser horrendas – por tiros dos guardas, por afogamento, até sufocamento em túneis. Ser um dos soldados que vigiavam a fronteira tinha uma vantagem enorme: nenhuma posição na Alemanha estava tão perto da fuga para a liberdade capitalista.

Famílias foram divididas para sempre repentinamente – o bom e velho planejamento político da sociedade contra as “ondas conservadoras” com sua moral familiar. Crianças, idosos (como Ida Siekmann, a primeira vítima, de 58 anos), todos tentavam fugir, com ajuda de bombeiros do lado ocidental. Até balões foram usados para se escapar do socialismo.

Na Alemanha Oriental, os mortos por perseguição política assomaram 70 mil. Erich Honecker, o sucessor do ditador Ulbricht (que governou, claro, até sua morte), recusava a abertura ao Ocidente proposta por Mikhail Gorbachev, preferindo o velho modelo stalinista original do socialismo. Seu sucessor, Egon Krenz, passou a missão ao emissário Günter Schabowski de como iria começar a abertura. Perguntado ao vivo quando ela começaria, respondeu, no susto: “Pelo que sei… a partir de agora”. Minutos depois já havia uma multidão de pessoas na fronteira querendo fugir do pesadelo socialista. O muro foi derrubado, literalmente, com as mãos.

Pessoas chegavam a usar as unhas para destruir o “muro da vergonha”, causador de tantos Mauertote – estes neologismos que só existem numa realidade socialista, ou seja, os “mortos do muro”. A TV dizia que ainda era preciso uma autorização do governo para tentar refrear as massas que iam para o lado ocidental. A população, ignorando o fato, foi aos milhares para a tão desejada liberdade capitalista.

muro de berlim espaçoO último líder da Alemanha esquerdista, Egon Krenz, foi ainda sentenciado pela morte de quatro pessoas que tentaram fugir apressadas. Em um ano, quase todas as instalações do muro, que fechava mais de 100 ruas, estavam demolidas. A diferença da economia do muro pode ser vista ainda hoje até do espaço, quando se compara a iluminação da Berlim ocidental com o a fraca iluminação de seu lado oriental.

A política da época era de oferecer 100 marcos para os alemães do Leste serem bem recebidos no lado capitalista. Os capitalistas que visitassem seus parentes e conhecidos no lado socialista raramente poderiam voltar. As pessoas, no socialismo, são propriedade privada do Estado.

Lá em sua ditadura, diante de alguma necessidade de explicar por que fizera tal aberração, o ditador socialista Walter Ulbricht, esta figura inteiramente desconhecida do Brasil, que nunca cai no ENEM, explicou que era um “muro de proteção anti-fascista”, praticamente o “nome oficial” da fortaleza – termo que voltou à moda recentemente.

Sem que o mundo civilizado percebesse, estava incutido tudo em seu batismo: a eterna desculpa anti-fascista, quando eles não representam nenhum número expressivo mesmo na Alemanha (e onde os skinheads e neonazistas são muito mais comuns do lado oriental) e tentando usar a propaganda soviética e e da Escola Marxista Britânica de chamar o nacional-socialismo de “extrema-direita” (termo que eles próprios nunca usaram para si).

Até hoje, a esquerda faz seus discursos utilizando exatamente a mesma retórica: de que há “fascistas” por aí do qual devemos nos proteger sob auspícios de um Estado que controle o pensamento, e que o capitalismo e o fascismo seriam aparentados – quando pouca diferença pode existir entre socialismo e fascismo, como se vê nos rarissíssimos filmes conhecidos no Ocidente que retratam a vida na Alemanha Oriental ou além da Cortina de Ferro, como A vida dos outros.

germany-berlin-wall-a_franE é aqui que surge a grande dúvida, tantos anos depois da queda do Muro: se a esquerda diz que não é mais comunista, se afiança que o socialismo já acabou no exato momento em que, justamente, o Muro de Berlim caiu, como se todos os socialistas do mundo passassem no mesmo segundo a defender o mais ortodoxo livre mercado da Escola Austríaca de economia e modelo patriarcal de sociedade com núcleo familiar, se garante que qualquer um que note o marxismo reinante nas Universidades, na educação ou no discurso da mídia é um “conspiratório” com “saudosismo da Guerra Fria”, então por que, afinal, a esquerda não comemora a queda do Muro de Berlim?

A queda do Muro da Vergonha é comemorada todo santo ano por todos os amantes da liberdade. A esquerda, que garante que não é mais socialista, que não acredita mais em Karl Marx e nem tem nenhuma admiração por figuras como Stalin, Mao ou Pol-Pot (Walter Ulbricht e Erich Honecker não entram na lista graças ao MEC) simplesmente o ignora e vive bem com isso.

Curiosamente, quando precisa explicar quais são seus inimigos, usa exatamente a retórica dos genocidas que criaram um muro para matar quem fugisse de seu totalitarismo. Os “Antifa” não estão na moda?

Tal como todo este cenário, esta realidade do muro, foi simplesmente ignorada e fingiu-se que não existia na recente literatura de esquerda alemã (como o sonífero nobelizado Günther Grass), o jornalismo de esquerda brasileiro, ao invés de comemorar, finge que o Muro de Berlim ainda não caiu. Talvez preso pelo seu próprio Muro de Berlim intelectual.

Não é a esquerda que garante que fundou o PT buscando a “democratização”? Não é a esquerda que garante que agora é “democrática”, que repudia qualquer forma de autoritarismo? Não é a esquerda que garante que Che Guevara, Fidel Castro e o totalitarismo cubano não os representam? Não é a esquerda que, num tom amarelado-peidei-na-festa, até admite que alguma forma de capitalismo é “tolerável”, para não recairmos de novo no modelo norte-coreano? Não é a esquerda que usa “democracia” como substantivo, adjetivo, verbo, advérbio, interjeição, pronome, artigo, preposição e conjunção?

Por que, então, não estão saudando a queda do Muro de Berlim? Não é bom dar um pouco de liberdade àqueles alemães orientais, já que o comunismo “já acabou”? Não é o que parece, lendo os veículos de esquerda.

O fascismo causa repúdio à direita liberal ou conservadora, já que esta foi o alvo primordial dos fascistas, enquanto socialistas eram seus aliados ocasionais na “luta anti-imperialista”. Até o hino nazista, a Canção de Horst-Wesel, pregava ódio aos “reacionários”. Por que o socialismo não causa repúdio à esquerda, como o fascismo causa à direita?

Ou, como têm vergonha de admitir que acreditam num projeto de poder totalitário, genocida, fracassado e, por birra ou desconhecimento, não querem dar o braço a torcer a teorias opostas, mas infinitamente superiores, que provam que eles estiveram errados a vida inteira.

A esquerda, toda ela, toda a esquerda moderna, a renovada, a democrática, é ainda devedora do marxismo. E como tal, é ainda comunista. E não pode comemorar a liberdade de um povo diante da tirania socialista – no máximo, ignorar, fingir que não é com ela, relativizar, adulterar a história ou até afirmar que, se é tirania (ao menos depois que cai), era de direita.

Eventos como este provam quem está do lado da liberdade. Qualquer liberal ou conservador comemora o fim de qualquer regime ditatorial, como nossa ditadura militar – que de “direita” só tinha o anti-comunismo. A esquerda não pode fazer o mesmo. No fundo, talvez até lamente, secretamente.

Que fiquem nossos préstimos pelos amantes da liberdade que derrubaram o muro, como Ronald Reagan em seu famoso discurso “Tear down this wall”Os outros que tenham vergonha.

fim-das-nacoes-brasil-paralelo
Seja um Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10,00 por mês

Seja membro do Brasil Paralelo e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Assuntos:
Avatar
Flavio Morgenstern

Flavio Morgenstern é escritor, analista político, palestrante e tradutor. Seu trabalho tem foco nas relações entre linguagem e poder e em construções de narrativas. É autor do livro "Por trás da máscara: do passe livre aos black blocs". Tem passagens pela Jovem Pan, RedeTV!, Gazeta do Povo e Die Weltwoche, na Suiça.

  • 1