Paste your Google Webmaster Tools verification code here

Numa demonstração clara do totalitarismo desumanizante do globalismo, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos decreta a morte de um bebê, impede seus pais de tentar salvá-lo e reivindica para si o poder de determinar quem pode ou não viver

O bebê Charlie Gard, de 8 meses, enfrenta uma doença mitocondrial rara, que enfraquece os músculos e causa danos cerebrais. Mas Charlie Gard enfrenta uma ameaça ainda mais mortal: a decisão da Justiça da Inglaterra, que determinou que os médicos devem desligar seus aparelhos sem consentimento dos pais.

PUBLICIDADE

Os pais já tinham feito uma campanha para arrecadar donativos para levar o bebê para a América, onde há um tratamento experimental. Com a solidariedade, a família Gard conseguiu 80.000 doações, somando 1,2 milhões de libras (cerca de 4,5 milhões de reais). O avanço da ciência foi ignorado, e os médicos preferiram a morte do bebê Charlie Gard.

Médicos haviam determinado que Charlie Gard deveria morrer pois o bebê estaria “sofrendo desnecessariamente”. Não se sabe em que manual de medicina há a exata precisão de quando um sofrimento é “necessário” ou cruza tal fronteira. Os pais levaram o caso para a Justiça inglesa.

O juiz Nicholas Francis declarou que sentenciava “com a maior das tristezas”, mas, ao mesmo tempo, com “a absoluta convicção” de estar fazendo “o melhor para o bebê“ (sic). Os pais foram impedidos de tentar salvar o bebê, mesmo com fundos, pois Charlie Gard merecia uma “morte digna” (sic).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A decisão da Justiça inglesa surpreende por alguns fatores. Não se trata meramente de eutanásia ou aborto, mas de algo ainda pior, o impedimento de que uma família salve uma vida com o avanço da ciência simplesmente porque um juiz e alguns médicos assim determinaram. Há recursos e medicina suficientes.

É algo novo: o poder do Estado determina quando uma vida é “digna” ou quando um sofrimento é “necessário”, podendo matar um ser humano quando o considera “inútil” para a sociedade. É algo que mal foi visto no totalitarismo socialista, cabendo mais à busca de um homem “perfeito” do nazismo. O que era considerado monstruoso no nazismo, é o novo “normal” determinado por entidades não-eleitas, como um juiz ventilando leis de estro próprio.

PUBLICIDADE

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A decisão do assassinato de Charlie Gard não foi comentada pela mídia global, ou no máximo se faz comentários com linguagem eufemística, como “interrupção do tratamento”, “desligar aparelhos”, etc.

Além da destruição de soberanias e de leis criadas por agendas não-eleitas, como se faz na era do globalismo, a supremacia de um coletivo abstrato e amorfo sobre a vida do individuo por comissões de “direitos humanos” e entidades afins atingiu um novo limite. Não se trata de um caso pontual, mas de um novo patamar atingido, tratando a vontade do Estado sobre o indivíduo como “normal”.

Quem determina se uma vida vale a pena ser vivida ou não não é mais o indivíduo ou sua família, que demonstrou tanto amor por um filho. É o Estado e sua sanha por um mundo homogêneo.

Charlie Gard será assassinado hoje.

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

Sem mais artigos