Paste your Google Webmaster Tools verification code here

O jornal americano The New York Times afirmou que Charlie Gard não tinha cura, tão somente porque... bem, porque o bebê TINHA que morrer.

O jornal The New York Times noticiou a triste morte do bebê Charlie Gard com a chamada “Charlie Gard, o bebê britânico incuravelmente doente, morreu”.

PUBLICIDADE

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O jornal americano The New York Times vem sofrendo queda de vendas vertiginosa e queda de prestígio na América, tendo de demitir boa parte do staff e vender metade do seu prédio – ironicamente, para o genro de Donald Trump. Contudo, tem aumentado o número de assinaturas, como um bastião da extrema-esquerda progressista em militância contra o Partido Republicano.

Mas seu modo de ação e escrita o fez ser motivo de chacota. O escritor e comentarista Andrew Klavan sempre o chama de “ex-jornal”. E a forma como o The New York Times relata notícias sérias e trágicas como a do bebê Charlie Gard reflete exatamente isso.

PUBLICIDADE

Charlie Gard ficou preso na Inglaterra, mesmo seus pais tendo conseguindo arrecadar 1,2 milhões de libras esterlinas (cerca de 4,5 milhões de reais) para um tratamento experimental na América. O tratamento tinha um percentual de recuperação de 10%, o que é altíssimo para tratamentos experimentais. Mesmo assim, a Justiça inglesa sentenciou que os aparelhos que mantinham o bebê vivo deveriam ser desligados.

Na semana passada, um médico americano que conhece o tratamento, o dr. Michio Hirano, afirmou que Charlie Gard tinha entre 11% e 59% de recuperação. Mas com o impedimento da Justiça inglesa, o bebê foi sofrendo danos cerebrais até que seus pais desistiram da batalha judicial.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Todos estes fatos não são apenas ignorados pelo The New York Times. O jornal americano simplesmente coloca um aposto no título de seu artigo afirmando que Charlie Gard era um “bebê incuravelmente doente”. Algo cientificamente impreciso, que só existena cabeça do jornalista.

É comum jornalistas forçarem a barra para defender suas causas, sobretudo em títulos (a única coisa que 95% dos leitores lerão). Assim é que se manipula a opinião pública, moldando paulatinamente sentimentos em uma direção. Mas geralmente se faz com confrontos policiais, no confronto entre Israel e Palestina ou em debates políticos.

O The New York Times deu um passo além e tratou um bebê como “incuravelmente doente” tão somente para dizer que ele deveria morrer, que sua morte foi certa, que os fatos não importam, o que importa é tratar o bebê como um bebê que certamente iria morrer.

Assim que trata a inteligência de seus leitores: não com fatos e argumentos, mas apenas fazendo-os crer que a morte é o melhor remédio. Tão somente porque o jornal queria que Charlie Gard morresse.

A cultura da morte é a norma para esquerdistas como os leitores do The New York Times.

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

Faça sua inscrição para o 2.º Congresso Virtual do Brasil Paralelo e, de quebra, ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link.

  • Mauricio Feler Mateus

    Acho que “incuravelmente doente” é o NYT.

  • Eliane Moura

    Se Charles fosse um bebê negro ou muçulmano teria o mesmo fim? Não, claro.

  • Ilbirs

    Enquanto Charlie Gard morre por ação direta do Estado na Inglaterra, o bebê Arthur, baleado quando ainda em gestação no Rio, acaba de falecer vítima de hemorragia digestiva. Fica aqui uma mãe que vai ter de lidar com um sentimento de culpa por algo de que ela não tem a menor culpa, uma família também afetada pela perda tão violenta de seu membro mais jovem e outras tantas coisas. Sim, dois bebês que se perdem e duas reflexões que ficam.

Sem mais artigos