fbpx

Digite para buscar

Doutrinação infantil

É preciso ter cuidado: querem politizar até mesmo o jardim de infância

Para tentar melhorar a popularidade, o governo Temer achou por bem lançar um canal infantil voltado a crianças de 8 a 12 anos

Compartilhar

No futuro, os “anos dez” poderão ser lembrados como a década em que a esquerda perdeu a hegemonia no movimento estudantil. Começou com grupos liberais conquistando alguns diretórios, mas logo havia conservadores e até modalidades mais exóticas – como os “monarquistas” – buscando voz no meio acadêmico. De que forma o esquerdismo reagiu à invasão adversária? Buscando um atalho.

Se pintara concorrência no terceiro grau, o segundo não oferecia qualquer resistência. Desta forma, a militância mais radical recrutou aliados e invadiu colégios em todo o país – ou ao menos nos estados em que políticos amigos não governavam.

Mas a trupe foi além. E se esforçou para emplacar ainda na primeira infância discussões sobre a sexualidade que já seriam suficientemente complexas na adolescência. Sem entrar no mérito da “questão de gênero”, cabe críticas por ser uma iniciativa sacada junto a crianças após seguidas derrotas frente aos pais. Era, por exemplo, o que estava em jogo na Queermuseu, polêmica exposição do Santander cancelada após a confirmação de que exibia conteúdo adulto a estudantes do primário.

A doutrinação infantil integra as estratégias sugeridas por Gramsci para que o marxismo vingue culturalmente. Não por outro motivo, a despolitização do “jardim de infância” virou bandeira do renascimento da direita, em especial a brasileira.

Nada disso parece ter importado ao governo Temer, que lançou no YouTube um canal infantil com o objetivo de melhorar a imagem da gestão. Contudo, a linguagem é voltada a um público nascido já após a eleição de Dilma Rousseff.

Claro, um governo deve governar para todos, inclusive para os mais novos. Mas o jogo político deveria ser reservado aos que têm direito a voto. Se há tanta especialista julgando que não é saudável a uma criança ser impactada pela publicidade das grandes corporações, por que seria aceitável a publicidade oriunda de um governo, e logo um governo tão envolto em corrupção?

E por que driblar os pais buscando a simpatia da opinião pública por intermédio do filhos? É uma iniciativa bem questionável, que parece se inspirar no gramscianismo mais execrável.


Siga o autor deste texto no Twitter ou Facebook. Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

[amazon asin=8501110825&template=iframe image2][amazon asin=B07684RVL3&template=iframe image2][amazon asin=8581638643&template=iframe image2][amazon asin=B06XC7T18X&template=iframe image2][amazon asin=B01NAUSD9I&template=iframe image2][amazon asin=8576843161&template=iframe image2][amazon asin=B006FUUKPO&template=iframe image2][amazon asin=8592649218&template=iframe image2][amazon asin=859264920X&template=iframe image2][amazon asin=B00ZB5PRS4&template=iframe image2][amazon asin=8592649293&template=iframe image2][amazon asin=8520925944&template=iframe image2]

Assuntos:
Senso Incomum

Senso Incomum é um portal de idéias e opiniões contra a corrente de pensamentos automáticos da última moda. Apenas com uma âncora se pode navegar mais longe, ao invés de boiar à deriva. Siga no Twitter: @sensoinc e no Facebook: /sensoincomumorg.

  • 1