Digite para buscar

Use Bháskara!

Professores acusam matemática de ser racista

A idéia de “matemática supremacista branca” tem crescido em departamentos de educação em diversos estados americanos

Compartilhar
Professores se manifestam contra ideologia da “matemática racista”

O ativismo e a “teoria crítica” em sala de aula começam a tomar proporções perigosas e dar resultados desastrosos na educação pública dos EUA. A bola da vez é o ensino da matemática, considerado por alguns “especialistas” como uma forma de “supremacismo branco e opressor”, conforme noticiamos há algumas semanas aqui no Senso Incomum.

Em artigo publicado no site da Foundation for Economic Education (FEE), a educadora Kerry McDonald aponta que alguns professores universitários começam a se manifestar contra este tipo de abordagem ideológica e como isto pode estar influenciando na queda das matrículas nas redes estaduais de ensino. A FEE é uma fundação americana criada em 1946 com o propósito de difundir princípios econômicos e espírito empreendedor.

“Esta semana, alguns proeminentes professores universitários se manifestaram contra essas novas recomendações de educação matemática. O professor de matemática de Princeton, Sergiu Klainerman, foi convidado a escrever um artigo sobre o assunto no site do jornalista Bari Weiss. Ele diz: ‘As tentativas de ‘desconstruir’ a matemática, negar sua objetividade, acusá-la de preconceito racial e infundi-la com ideologia política se tornaram cada vez mais comuns – talvez, até mesmo, na escola primária de seu filho”, escreve McDonald.

brasil paralelo

“Klainerman, que cresceu na Romênia comunista, adverte que o dogma atual da sala de aula é perigoso. Ele escreve: ‘Quando se trata de educação, acredito que a “teoria crítica” é ainda mais prejudicial do que o velho comunismo’.”

A educadora lembrou que o professor de inglês da Columbia University, John McWhorter, também se opôs a este documento de educação matemática e suas recomendações.

“Este adorável panfleto está nos ensinando que é racista esperar que crianças negras dominem a precisão da matemática”, escreveu o professor em um blog. “Desconfiar deste documento não é ser contra a justiça social, mas sim contra o racismo”.

Em um de seus artigos finais antes de morrer em dezembro passado, o economista Walter Williams criticou o fraco desempenho acadêmico dos alunos em grandes distritos escolares urbanos.

“Em duas escolas secundárias da cidade”, escreveu Williams sobre Detroit, “apenas um aluno foi proficiente em matemática e nenhum em inglês. Ainda assim, as escolas passaram uma semana inteira ensinando sobre ‘racismo sistêmico’ e ativismo ‘Black Lives Matter’.”

Um trecho de entrevista da Fox News que viralizou na semana passada demonstra a insanidade que está tomando conta do assunto.


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Assuntos:
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1