Digite para buscar

Servidão voluntária

Maju Coutinho diz “O choro é livre” a quem vai se lascar com medidas restritivas

Apresentadora da Globo mostra todo o seu humanismo, sua preocupação com os pobres sem comida e sua caridade com quem passa necessidade

Compartilhar
majuglobo

Conforme já noticiado aqui, as nossas celebridades da tevê tem uma certa impaciência com um troço meio pegajoso chamado gente. As celebridades globais, mais famosas e brilhantes, nutrem um pavor ainda maior daquela dona de casa, daquele contador, que as reconhece caminhando no Leblon.

No caso dos jornalistas, acometidos por aquela doença da alma que Ortega Y Gasset descreveu quando nos alertou sobre o perigo dos especialistas, o caso ganha contornos épicos. É um crime discordar deles.

Maju Coutinho, misto de moça do tempo, famosa quem?, jornalista e apresentadora, ao se referir às restrições pesadas anunciadas pelos governadores, disse que o choro é livre.

É tão livre que o vemos se espalhar nas famílias pobres que perderam seu sustento porque um cosplay barroco de Hitley ou Stalin decretou que sua profissão não é “essencial”.

brasil-paralelo-flavio-

É comovente a empatia – palavra esvaziada pela militância progressista -, o amor ao próximo da nossa nata falastrona. Sempre nos resta perguntar, ainda que a sanidade tenha reduzido os nossos interlocutores a quase zero, como é que Maju faz para sobreviver em sua casa ou apê de muitos metros quadrados? 

Planta seu alimento? Caça? Cuida ela mesma da manutenção de sua rede wi fi quando esta oscila? Limpa a casa? Pede ao marido (se é que tem) para fazer a guarita durante a noite? 

Sorte de quem ainda pode dizer que tem uma profissão essencial para cuidar do bem-estar das nossas ungidas e heróicas celebridades.


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Assuntos:
Carlos de Freitas

Carlos de Freitas é o pseudônimo de Carlos de Freitas, redator e escritor (embora nunca tenha publicado uma oração coordenada assindética conclusiva). Diretor do núcleo de projetos culturais da Panela Produtora e editor do Senso Incomum. Cutuca as pessoas pelas costas e depois finge que não foi ele. Contraiu malária numa viagem que fez aos Alpes Suiços. Não fuma. Twitter: @CFreitasR

  • 1