Digite para buscar

Podres de mimados

YouTube pretende esconder botão de “dislike” depois de descurtidas em vídeos da Casa Branca

Após fracasso de transmissões de Joe Biden, presidente eleito sem fraude e adorado pelos americanos, plataforma estuda esconder o botão de "dislike" para não pegar mal

Compartilhar
bidendisli

A nova classe onipotente, a imprensa, atesta com um número absurdo de provas que Joe Biden é o grande líder que o mundo precisa, sendo muito amado por seu povo.

O jornalismo de ficção se converteu numa espécie de carimbador maluco, sempre disposto a atestar histericamente suas convicções, chamando quem se nega a participar da farsa de extremista, negacionista, nazi-fascista, anti-democrático ou, o meu preferido, robô.

A insistência nas mesmas ofensas lembra sempre a de um garotinho de sete anos que aprende os primeiros palavrões e sai xingando quem o contraria. Estamos na era de ouro da mediocridade cujo amparo midiático é, sem dúvida, fundamental.

As redes sociais agem como o velho censor de jornal. Tudo o que vá de encontro ao carimbo da mídia torna-se inconveniente. 

E é pensando nisso que o YouTube vai testar uma novidade: ocultar o botão dislike toda vez que um esquerdista pinel estiver discursando em favor da mais valia, do aborto, da ideologia de gênero (afinal, nada mais científico do que a teoria de que ninguém nasce com o sexo definido), das benesses da overdose, do crack controlado.

A motivação foi o imenso sucesso das aparições de Joe Biden na plataforma. Segundo o Epoch Times, o YouTube pretende responder às “campanhas de dislike direcionadas”. Os donos do mundo não podem tolerar a discordância, oras.

Em janeiro, o YouTube excluiu milhares de “dislikes” de vídeos no canal oficial da Casa Branca. A explicação dada parece muito verossímil:

“A empresa disse que isto faz parte de seus esforços regulares para remover o engajamento que considera inautêntico.”

Aqui, a imprensa tem seus próprios métodos de considerar a má avaliação de seus queridinhos. O tal gabinete do ódio, liderado pelos filhos do presidente, conta com um batalhão de robôs contra a democracia.

É o golpe do chip, a maior revolta dos megabytes contra o progressismo que pretende nos levar ao paraíso terrestre. Quem sabe um vírus consiga parar a sanha mecatrônica pela opressão.


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Assuntos:
Carlos de Freitas

Carlos de Freitas é o pseudônimo de Carlos de Freitas, redator e escritor (embora nunca tenha publicado uma oração coordenada assindética conclusiva). Diretor do núcleo de projetos culturais da Panela Produtora e editor do Senso Incomum. Cutuca as pessoas pelas costas e depois finge que não foi ele. Contraiu malária numa viagem que fez aos Alpes Suiços. Não fuma. Twitter: @CFreitasR

  • 1