O Estado Islâmico odeia tudo o que não é ele próprio. Tudo. É o Estado Islâmico que mata, não abstrações como "a homofobia".

Facebooktwittermail

Leitor, há uma coisa tão chocante, estarrecedora e impensada que convido-o antes a tomar um dedo de conhaque e vestir um capacete ou se agarrar a algo bem pesado antes de ler tal verdade. O risco é alto e isso vai virar do avesso tudo o que você pensa sobre o mundo. É o seguinte: o Estado Islâmico não gosta de você.

Sério. Não gosta. Talvez você possa pensar que ele, assim, a depender das circunstâncias, quem sabe acabe até gostando de você. Mas ele não gosta e não vai gostar.

“Ah, mas eu votei no Jean Wyllys e não gosto do Bolsonaro!” Cara, eu sei que é chocante, mas é provável que o Estado Islâmico passe a gostar ainda menos de você por isso. Não sei se você fisgou a extremamente complexa, avançada, difícil, arcana e danbrowniana lógica aqui.

“Mas eu sou contra o Trump!” Então, meu chapa, mas se você é ateu, curte happy hour com cerveja, come bisteca, usa relógio no braço esquerdo, é pró-aborto, é pró-casamento gay, não reza voltado para Meca 5 vezes por dia, não pratica a jihad, não mata cristãos, judeus, ateus, esquerdistas, direitistas, xiitas e aqueles sunitas que não aceitam o califado, então há uma leve chance de que o Estado Islâmico ainda assim continue não indo muito lá com a sua cara de bolacha.

refugees-welcome-gayPorque o único motivo pro Estado Islâmico (ou melhor: para os muçulmanos) preferirem os Democratas aos Republicanos é que os primeiros compram essa ladainha de “Welcome, Refugees!” Só. Tão somente isso. Ou acha que muçulmanos adoram casamento gay, feminismo, banheiro transgênero, Planned Parenthood, aborto, marxismo, ateísmo, sex lib, “não ensine as mulheres a usar roupas longas, ensine os homens a não estuprar”? Não, camarada: muçulmano só apóia a esquerda pra chegar no Ocidente sem resistência, com todo ocidental desarmado. Só. . Depois de chegar aqui, é shari’ah, burca, proibir biquini, apedrejar estuprada por ter feito sexo fora do casamento.

O Estado Islâmico te odeia, cara. “Ah, mas eu sou #refugeeswelcome e prego tolerância e diversidade!” Eles só vão adorar você deixá-los ficarem mais perto de você para te matarem depois. “Ah, mas eu li Orientalismo de Edward Said e agora acho que judeus são nazistas e sou a favor da causa palestina!” Então, companheiro, isso aí não te vale nem a honra de morrer por último. “Ah, mas eu sou a favor do diálogo e da tolerância e da coexistência!” Pois é, criatura, eles ainda não vão querer andar com você na hora do recreio. Volte à lição número 1.

Chocante, não é? Contrário a tudo o que você pensa. Algo tão longe do óbvio que só é possível falar cochichando, escondido, nas frinchas da clandestinidade. Não diga nunca isso alto: os intelectuais da USP, os especialistas da Globo News, a Dilma Rousseff, o Barack Obama, a esquerda mundial, a isentosfera – pra não falar do movimento LGBT. Esse aí vai ter uma síncope se descobrir.

isis-stonewall-orlandoUm membro do Estado Islâmico nesta semana entrou numa boate gay em Orlando com uma Sig Sauer MCX Carbine, abriu fogo geral, matou 49 pessoas e deixou dezenas de outras feridas. Antes de entrar na boate gay, o terrorista, Omar Siddiqui Mateen, ligou para a polícia para jurar lealdade ao Estado Islâmico. A arma, que não é um AR-15, foi comprada com background check, o controle que vendedores de armas fazem com a polícia, para não vender armas para suspeitos de crimes. Mesmo Omar Mateen sendo um investigado, o FBI não fez nada, pela política de evitar grandes investigações contra muçulmanos (ver o imprescindível artigo de Elise Cooper, Who Is to Blame for the Latest Terror Attack?, no American Thinker).

O Estado Islâmico não é apenas um grupo terrorista: é um califado (ler nosso artigo O Estado Islâmico é um Estado? É islâmico? para entender o que ninguém entendeu). É salafismo: uma versão ultra-ortodoxa do islam, seguindo à risca os mandamentos de Maomé. Se pratica o que hoje chamamos de “terrorismo” é só pelo método: o que promove de fato é a jihad, a guerra santa contra infiéis, para enfraquecer os inimigos e, posteriormente, dominar suas cidades e países e subjugá-los à shari’ah.

Terrorismo, nas palavras de Lenin, é propaganda armada. Se há a propaganda convidativa (do “Bom dia, gostaria de ser Testemunha de Jeová?” até os comerciais do Super Bowl), também há a propaganda que ameaça. A idéia de que ou você se converte, ou você morre. O Estado Islâmico cresce incrivelmente quando não apanha militarmente, o que mostra o peso e valor deste tipo de convite ao califado muçulmano.

world-trade-center-attackEm outras palavras, os assassinatos do Estado Islâmico, ao contrário, por exemplo, de boa parte dos atentados do Hamas ou do H’zbollah, querem significar algo, até mesmo simbolicamente. Quando a al-Qaeda derrubou o World Trade Center, não queria apenas matar com precisão cirúrgica exatamente aquelas pessoas que matou: queria uma marca na história a na geografia do Ocidente, uma nódoa gigantesca num grande símbolo do capitalismo. E conseguiu.

Se Hobsbawm definiu o século XX como tendo começado com a Primeira Guerra e terminado com a queda do Muro de Berlim, o século XXI começou mais cedo, com o atentado às Torres Gêmeas. É propaganda armada: o Ocidente, do dia para a noite, passou a se preocupar com o islamismo. E o islamismo só cresceu no mundo e no Ocidente desde então.

Quando um jihadista muçulmano, salafista e leal ao califado do Estado Islâmico, vai até um dos outros principais símbolos do capitalismo, a Disneyland, e, depois de desistir de enfrentar o armamento dos seguranças, abre fogo contra uma boate gay, talvez, talvez, talvez o recado, o significado, a mensagem que o Estado Islâmico queira passar seja: “Nós não gostamos muito de vocês, ocidentais. E, enquanto seus líderes buscam diálogo e dizem que não somos islâmicos, estamos seguindo a lei islâmica ipsis litteris e, a propósito, entre os ocidentais que gostamos menos, encontram-se estes gays, pervertidos que arderão no inferno!”

Alguém entendeu o recado? Eles não gostam da gente. Eles não gostam de gays. Porque (segurem-se nas cadeiras) ele é islâmico.

Aí, o que faz a esquerda progressista, a esquerda socialista, a esquerda pró-Palestina, a esquerda “Uhuuuu, refugiados, que amor! Pura diversidade!”?

O Levante Popular da Juventude (sic), aquele do “Sou do Levante, tô com Maduro” (ditador que negocia com todo escol de grupo terrorista islâmico), faz um protesto contra… a Igreja Católica, na Catedral da Sé, em São Paulo. Como se ela tivesse alguma coisa a ver com um muçulmano (turma defendida pelo Levante) matando gays, seguindo o Corão.

Os partidos do Levante (o Popular, não o Levante do Oriente Médio, que o Estado Islâmico considera seu território), mormente PCdoB e PT, por desastrosa coincidência, são os mesmíssimos que aparecem com bandeiras da Palestina, pró-imigração muçulmana (a famosa hijrah islâmica) e criticando Israel, que até possui Parada Gay, tratando como vítimas coitadinhas todos os países muçulmanos da região e do mundo.

Só faltaram enfiar o dedo na cara de Dom Odilo Sherer e gritar: “Nós somos contra o califado!!”, puxando-o peço pescoço. Seria a demonstração non plus ultra do pensamento de esquerda sobre o mundo.

levante-popular-se

Belos, recatados e do lar.

O Estado Islâmico quer explicar umas coisas para essas pessoas. Que, por exemplo, o islamismo não gosta deles. No Corão, a grande cidade representativa do mal no mundo, espécie de Sodoma ou Gomorrah, é Roma, justamente com sua Santa Sé. É contra ela que muçulmanos matam gays, considerando que a Igreja Católica os protege e é impura por seu materialismo (sic) e hábitos não-islâmico. Hoje comumente a “Grande Roma” é interpretada como sendo os Estados Unidos da América.

Claro, isso exigiria estudo, o que Levante Popular da Juventude, Hillary Clinton, New York Times, petistas, Folha de S. Paulo, feministas, comentaristas de telejornais, membros do Orgulho LGBT e defensores da causa Palestina (se podem ser diferenciados um do outro) nunca farão.

levante-popular-se2Mas… será que não dá pra entender essa obviedade nem se o Estado Islâmico atira gays de prédios, filma e põe no Youtube para amedrontar o Ocidente? (será que querem amedrontar católicos heterossexuais com isso?) Será que não dá pra perceber que o Estado Islâmico mata por causa do islamismo, e não de braços dados com a religião cristã, nem quando grita “Allahu akbar!” ([Meu] Deus é melhor [do que o seu])?

Qual a dificuldade em perceber que não foi “a homofobia”, essa com RG e CPF, que entrou numa loja, comprou um fuzil, ligou para a polícia dizendo “Meu nome é Homofobia Siddiqui Mateen, e juro fidelidade ao Estado Islâmico! Alá é o melhor, mas também Jesus Cristo consubstanciado na hóstia!” e saiu matando gays em nome de Maomé e Jesus para transformar a América numa teocracia.

Não, caceta. Ou devo ir agora pintar o arco-íris num templo budista para demonstrar meu repúdio ao crime em Orlando? Que tal gritar contra os Seicho-no-ie por não aprovarem o casamento gay? Qual será a serventia de sitiar uma sinagoga em desprezo ao cara do Estado Islâmico? Que tal a recusa ao jihadismo pichando um terreiro de umbanda? E a rejeição à Sra. Homofobia Anwar Malik Radhwa num centro espírita ou numa seita do Santo Daime?

Será que esse povo assim nem cogitou descer no Brás, duas estações de metrô depois, e fazer a tal manifestação numa porra duma mesquita?!

Sério, precisa ser mais claro? Ou essas pessoas precisam ser mortas por um cara querendo acabar com todas as religiões para que o Estado Islâmico domine todo o planeta com uma religião única, mate-os gritando que gays são pecadores para que eles cheguem ao Inferno e sua primeira providência seja gritar: “Maldita Igreja Católica homofóbica!!”?

O Estado Islâmico está desesperado para fazer essas pessoas entenderem o que eles querem. Mas pelo visto nem assassiná-los vai adiantar. Até a linguagem mais universal do mundo, o medo da morte, foi retirada do senso comum desses nóias. O que o Estado Islâmico vai precisar fazer agora para que os esquerdistas e universitários brasileiros entendam de uma vez que ele, oh, God, faz o que faz em nome de Allah?!

Frank Zappa estava certo: certas pessoas não reconhecem a verdade nem que ela lhes morda a bunda.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Não perca a promoção do Kindle com R$ 100 de desconto no link:

Saiba mais:
















  • Jesser Medeiros

    meu caro, você escreveu tudo o que penso sobre o assunto. Somente um mentecapto, analfa mãe de pai e beto não enxerga isso.
    O camarada que defende refugiado do islã e prega apoio a essa raça deveria ser deportado para viver por lá já que acha tão politicamente correto.
    Parabéns pelo seu texto. Encontrei um doido que pensa como eu.

  • Arthur, o legítimo

    Uma coisa é importante frisar sempre – Ateísmo, Esquerdismo, Relativismo moral, e Sincretismo religioso, são coisas Umbelicalmente coligadas! É, até ateísmo e sincretismo religioso são irmãos de umbigo.

    Por exemplo, o sincretismo religioso (do tipo que diz que Islamismo merece o mesmo acolhimento que cristianismo, e por aí vai abrançando cada religião deformadora do mundo), é nada mais,nada menos que uma forma de Ateísmo , no clássico estilo (apoio tudo, porque não creio em nada).
    Assim se pode também coligar filosoficamente todas estas ideologias humanas, de forma que SEMPRE uma coisa levará a outra, uma ideologia destas, tem forte viés para as demais.

  • Arthur, o legítimo

    Meus respeitos ao articulista,
    quase 100% de acertos, But há uma questão, papa Francisco (a quem o reconheça papa), é dos que ajudaram (significativamente) a militância-gay, com declarações várias que davam a entender apoio da Icar a gays Não! convertidos (que só pode ser os que lutam dia a dia contra suas tendências carnais, e jamais digam ‘sou gay’, mas ‘tenho ainda tendências, mas as combato desde o raiar do dia’).

    Mas em tudo o mais o artigo é correto, salvo se perdi alguma entrelinha, mas estes Descompensados feminazis e ‘Guevaristas’ não teriam coragem de fazer isto na escada de uma Sinagoga Islâmica, e isto per´-sí mostra o quanto suas psiquês estão deformadas pelo ativismo, que para muitos é ‘uma razão existencial’, o que nubla os menos intelectualmente honestos.

  • Heloisa

    Espero que os americanos não elejam a comunista enrustida, ou vão afundar de vez.

  • Pedro

    Execelente artigo. Eles são aliados de ocasião na intenção de subverter a cultura ocidental judaico-cristão. Se forem bem sucedidos o novo caminho estará limpo para implantar o comunismo. Se e quando isso ocorrer limparão os islamicos daqui. Até lá porém seguem de mãos dadas em prol do inimigo comum.

  • Ilca

    Concordo. É incrível que a grande maioria das pessoas não percebem isto. 100% certo.

  • Gutemberg

    Independence day: alienígenas posicionam suas naves, sem fazer qualquer contato e dentro de nosso espaço vital. Então, o que os descoladinhos fazem? Sobem no terraço do prédio e mostram cartazes welcome.

    • Fausto Renault

      Sacada sensacional !!!

Sem mais artigos