O colunista Filipe Martins explica como acertou mais do que todos os gurus sobre a eleição de Donald Trump - e comenta mais sobre o futuro.

Guten Morgen, BrasilienNeste episódio de nosso podcast, atentando a pedidos, comentamos o assunto do mês: ao contrário de todas as previsões, Donald Trump foi eleito presidente americano e, mesmo uma semana depois do pleito, as novas previsões são de Apocalipse total. Mas espere aí: todas as previsões? Nós aqui do Senso Incomum sabíamos muito bem que Donald Trump era o favorito. E nosso convidado de hoje, o colunista Filipe Martins, acertou simplesmente 48 dos 50 estados.

Se toda a imprensa – e desta vez, não apenas a nacional, mas a mundial – e todos os institutos de pesquisa falharam miseravelmente em suas previsões, por que devemos levar a sério suas novas previsões sobre o governo de Donald Trump, sempre calcadas no complexo machismo-racismo-xenofobia-magnata? Certamente, nosso Filipe Martins sabe de algo a mais que a imprensa, que ainda não sabe. É o que ele conta neste episódio mais do que especial.

Além de explicar em detalhes o seu método para ter acertado mais do que qualquer um dos “especialistas” que ganham milhões na América para ter tal antevisão (não, não foi pura sorte), Filipe Martins desmente vários dos preconceitos que a imprensa americana teve que levaram a seu erro vergonhoso – erros estes repetidos e repapagaiados roboticamente por nossa imprensa.

Além da sua intuição original, inspirada no filósofo Olavo de Carvalho e em seus amigos Bruna Luiza, do blog Garotas Direitas, e Osmar Bernardes, da Reaçonaria, Filipe também comenta os intelectuais que o ajudaram a seu impressionante acerto, como, curiosamente, Scott Adams, criador da tirinha do Dilbert, Ann Coulter, considerada “radical” e “extremista” por quem desconhece seu pensamento, ou aquela que a mídia ocidental colocou hegemonicamente no moedor de carne do assassinato de reputações: Sarah Palin, considerada fanática, louca e burra, mas que, ao contrário do que disseram os boatos (e os especialistas), anteviu antes de todo o mundo Vladimir Putin invadindo a Ucrânia para anexar a Criméia.

Filipe Martins também faz suas próximas previsões, que são, naturalmente, bem diferentes, para não dizer praticamente opostas, ao que se lê na grande mídia arcaica. Neste episódio do podcast, comenta como provavelmente serão os próximos 4 anos de Donald Trump no poder. Desmente o que falaram sobre sua visão de renovação para a OTAN. Avalia sua proposta para a Síria. Verifica a veracidade de suas “ligações” com Vladimir Putin. Comenta o Oriente Médio, a Ucrânia, a China e a movimentação no xadrez geopolítico mundial.

Também há espaço para a mídia, seus pundits e os erros e acertos de comentadores do quilate de Ben Shapiro, Glenn Beck e Stefan Molyneux, famoso no Brasil por ter debatido (e massacrado) o comunista Vladimir Safatle.

Mitos são desfeitos. Boatos são desmentidos. Uma visão que a mídia considera maluca é exposta in true colours para se ver por que, apesar da histeria e da mentira em hegemonia uníssona, Donald Trump ganha votos de latinos, de negros, de mulheres. E, afinal, o que é que pensa de fato Hillary Clinton, tratada como uma escolha “acertada e moderada” da América, sem que ninguém soubesse o que pensa a respeito de temas tão importantes que poderiam gerar a Terceira Guerra Mundial.

Não percam uma das mais brilhantes mentes do país (e, como se vê, do mundo), que certamente tem algo a lhe dizer, mesmo que você aparentemente discorde. Afinal, não é qualquer um que acertou tanto nessas eleições, enquanto a imprensa se impressiona com o fato de Michael Moore estar pessimista.

Não importa o que você pense, ouvir essas quase duas horas com Filipe Martins será uma das maiores aulas que você terá na vida – aproveite para fazer o contraste depois com os analistas que você conhece por aí, nesses canaizinhos de TV que somos obrigados a agüentar.

A produção é de Filipe Trielli, Daniel, Janjão e Davi Mazzuca Neto, no estúdio Panela Produtora. E não percam o CD “É Natal” do estúdio, que pode ser comprado direto na loja da Panela (http://store.pane.la) ou na iTunes Store (http://goo.gl/sGxWHq)! Tem também link para ouvir no Spotify e no Deezer (sim, a Panela tem a url mais legal do mundo).

Guten Morgen, Brasilien!

—————

Não perca o artigo exclusivo para nossos patronos. Basta contribuir no Patreon. Siga no Facebook e no Twitter: @se

  • Observer

    Ótimo! Também gostaria muito de um podcast com ele.

  • lucasfernandes

    Sensacional o episódio. Vim comentar apenas para falar sobre a música ao final corretíssima para a ocasião.

  • Sergio Bruno

    Flavio

    Vocês fariam um Guten Morgen explicando o financiamento russo aos partidos de direita na Europa? Como explicado no livro Les Reseaux du Kremlin en France (As redes do Kremlin na França, Ed. Les Petits Matins), mencionado no artigo http://www.midiasemmascara.org/artigos/desinformacao/16544-2016-06-01-18-45-39.html ?

  • marcosr.

    Qual o nome do documentário sobre a Sarah Palin?

    • Sir. Stefferson II

      Media malpractice

      • marcosr.

        Obrigado.

  • Bruno Sanzio

    Excelente podcast Morgenstern.

    Deixa eu te dar uma dica, coloque os nomes dos livros com link da amazon (aproveita e ganha uma comissão).

  • Elizabeth Caulfield

    Fiquei muito curiosa para entender mais sobre o case assassinato de reputação da Sarah Palin. Obviamente já estou fazendo a lição de casa e buscando fontes, mas adoraria ler um texto aqui a respeito. Fica a sugestão de pauta.

  • Rubens

    Flavio, o papo foi fantástico. Em breve estarei contribuindo com o site xD!

  • AR Terra

    Estou escutando ainda e adorando!! Desculpe a ignorância, mas poderias explicar a questão do libertarianismo e porque eles odeiam o sensoincomum ?

    Alex

  • Pedro Santos

    Em 2008 fizeram da Sarah Palin um personagem de filme pornô! E a esquerda americana vem falar de machismo?! PQP!

  • fox

    Flávio, faz um podcast sobre libertarianismo e do pq vc não é libertário! vlw ;D

  • Enéas Carneiro

    Como que baixa o volume no soundcloud aqui no site?

  • Carlos Alberto Guedes Pereira

    Flavio, concordo contigo, você deve puxar as orelhas do Filipe para ele publicar mais no Sensoincomum. Adorei esse podcast e aprendi muito.

  • Marcio Reaken

    Mas eu acho sempre bom acrescentar: a mídia não simplesmente ”errou as análises”, ela distorceu fatos e inventou um monte de coisas, fazendo o tempo todo uma propaganda pró-Clinton. Desde as primárias eles já estavam lá rotulando todos os candidatos republicanos de ultra conservadores e extrema direita, após a definição da candidatura de Trump eles só fizeram ampliar isso pra incluir os já manjados termos ”racista, machista e tudofóbico”. Não foi um caso simples de incompetência, foi uma tentativa descarada de induzir o público e influenciar diretamente no resultado da eleição. E toda a grande mídia estava envolvida. Uma canalhice sem tamanho.

  • Inclua na lista de acertadores a galera do 4Chan – muitos deles apontavam o poder de persuasão de Trump até mesmo nos seus discursos inflamados nas primárias e nos comícios, além da proposital má atuação no primeiro debate cara a cara – e Mike Cernovich, que fez um livro, MAGA Mindset.

    Devo confessar que estava cético sobre a vitória de Trump, por imaginar que os podres da Hillary divulgados pelo Wikileaks não teriam chance de chegar ao povo a tempo da eleição. Mas eu só tive essa ilusão porque eu também acompanhava mais os sites tradicionais para saber das estatísticas, enquanto o Breitbart mostrava notícias mais tímidas sobre outros institutos de pesquisa que davam resultados favoráveis a Trump. E MESMO esses institutos davam uma margem estreita a Trump, não passando dos 10% de diferença.

    Outro que sumarizou suas razões para a vitória de Trump foi Dave Armstrong, um apologista católico muito bom, e bastante famoso até:

    http://www.patheos.com/blogs/davearmstrong/2016/11/my-successful-may-predictions-about-the-2016-election.html

Sem mais artigos