Triste :'(

Em março, Kim Kataguiri dizia que a Reforma “morreu” devido à “catástrofe” da articulação do governo

Péssimas notícias, galera: não vai ter Reforma porque o Kim Kataguiri avisou que ela morreu, já que o governo não articulou. :'(

Publicidade

Em março, Kim Kataguiri, ex-esperança jovem da política brasileira, dava entrevista à coluna “Saída pela Direita” (sic) da Folha de S. Paulo, dizendo que a Reforma da Previdência havia “morrido”, e que a culpa era a “catástrofe” da tal “articulação” do governo – toda semana inventam uma palavra nova a ser repetida bovinamente como se fosse o maior problema da humanidade desde o Big Bang. Na época, foi “articulação”, como se um mensalão ou toma-lá, dá-cá fossem coisas boas. Hoje, é “liturgia do cargo”.

Segundo Kataguiri, ex-“direita transante”, a tal “catástrofe” se devia ao fato de Jair Bolsonaro “não querer dialogar com o Congresso, não querer receber parlamentares”. A agenda do presidente incluía cerca de quatro encontros com parlamentares por dia.

Segundo palavras que foram repetidas como mantra (ou melhor, dog-whistle) por comentaristas midiáticos centrão-afetivos na época, Kim disparou:

“O governo está tentando transformar a articulação em sinônimo de corrupção. Quando na verdade é escutar os projetos [dos parlamentares] para eventualmente encaminhar nos estados. Construir pontes, fazer hospitais, é legítimo também. Isso não tem nada a ver com corrupção.”

Ou seja, Maia só não aceitava a Reforma da Previdência porque queria aproveitar para construir umas pontes e uns hospitais, enquanto Bolsonaro, este monstro nazista, não deixava. Tadinho do Maia.

Por isso, dizia o rei da zoeira Kim Kataguiri, a Reforma da Previdência “morreu, não tem chance de ser votada e aprovada”.

Seu objetivo, então, era retomar o texto de Arthur Maia, o relator da reforma apresentada na gestão de Michel Temer.

Claro, alguns meses depois (mais precisamente, na semana passada), Rodrigo Constantino, que já provoca risos antes mesmo de se chegar ao predicado da frase, afirmou que o MBL completou 5 anos “com maturidade política, humildade na autocrítica e construindo pontes”. Já reparou como essa turma adora umas pontes com Temer e Maia? Ou, sei lá, Gilmar Mendes… bem humildes na auto-crítica e bem maduros, diga-se!

Ler notícias antigas no Brasil é muito melhor do que ler humoristas.

————–

Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Não perca o curso Ciência, Política e Ideologia em Eric Voegelin, de Flavio Morgenstern, no Instituto Borborema!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Assine o Brasil Paralelo e tenha acesso à biblioteca de vídeos com mais de 300 horas de conteúdo!

Publicidade
Sem mais artigos