Digite para buscar

CRISTOFOBIA

Nem velhinhas carolas se chocam mais com blasfêmias da Parada Gay

Para alguns grupos LGBTs, é justo e correto a disseminação de ódio à fé cristã através de manifestações "artísticas"

Avatar
Compartilhar
Parada gay, homofobia, cristofobia, religião, fé cristã, jesus, maria, orgulho gay, parada gay 2019

Dentre os discursos que ocorrem dentro da esfera militante de alguns grupos LGBT´s, é comum a disseminação do ódio à religião cristã através de manifestações “artísticas” dessas militâncias.

Um exemplo recente disso ocorreu na apresentações da “Maria abortista”, onde ativistas gays colocaram a imagem de Maria abortando Jesus em frente à Paróquia Nossa Senhora das Mercedes na Argentina.

Na Parada Gay de São Paulo, evento que apoia e luta pela causa LGBTQRSTUVXZ Plus, ocorreram casos de agressões diretas e indiretas aos símbolos do cristianismo que repercutiram no Brasil inteiro. Uma delas é a “crucificação do ‘Jesus’ homossexual” em 2016.

Aqui, salienta-se algumas das controvérsias presentes nas entrelinhas desses discursos:

1 – Os mesmos militantes da comunidade LGBT+ que pregam a defesa de uma sociedade sem preconceitos, por vezes são exatamente os que endossam a apologia ao preconceito – permitido – religioso.

2 – Alguns homossexuais se colocam como vítima da religião – principalmente católica – por outro lado, se incomodam por não “possuírem o direito ao matrimônio em celebrações religiosas perante um sacerdote”.

3 – “Faça o que falo, mas não faça o que faço” – Não é preconceito fazer chacota ou ofender a fé Cristã, mas achar isso ruim, sim.

Chocar e agredir símbolos religiosos são permitidos, mas se qualquer pessoa ousar reclamar se torna automaticamente intolerante; banalizar Cristo não é desrespeito, mas usar a crucificação de forma irreverente e midiática para cobrar respeito é uma crueldade inexplicavelmente aceita.

Além de tudo isso, é comum ouvir relatos de pessoas dentro da comunidade LGBT, que se intitulam religiosas, declararem que são marginalizadas pela própria comunidade.

Vale lembrar que o artigo 208 do Código Penal assume que escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso é crime e tem como pena a detenção, de um mês a um ano, ou multa.

Mas quantas pessoas você já viu serem detidas por isso? Cobram a equidade, mas a lei não vale para todos – principalmente para os militantes do gayzismo -, seu “homofóbico”!

 


Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Não perca o curso Ciência, Política e Ideologia em Eric Voegelin, de Flavio Morgenstern, no Instituto Borborema!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Assine o Brasil Paralelo e tenha acesso à biblioteca de vídeos com mais de 300 horas de conteúdo!

[amazon asin=8535929606&template=iframe image2][amazon asin=B00HSNYXC8&template=iframe image2][amazon asin=8537810746&template=iframe image2][amazon asin=8520930700&template=iframe image2][amazon asin=8573265493&template=iframe image2][amazon asin=1631060244&template=iframe image2][amazon asin=8520942946&template=iframe image2][amazon asin=8573262915&template=iframe image2][amazon asin=B00HSNYYEA&template=iframe image2][amazon asin=858285014X&template=iframe image2][amazon asin=8521001142&template=iframe image2][amazon asin=8594090153&template=iframe image2]
Assuntos:
Avatar
Teff Ferrari

Psicóloga Organizacional, Nerd de Carteirinha, Admiradora da Visão de Mundo Conservadora e Entusiasta de Games e Tecnologia.

  • 1