Filho de Fergu

Projeção do Imperial College de meio milhão de mortos diminui para 20 mil

Estimativa feita pelo epidemiologista Neil Ferguson que viralizou no Brasil e definiu políticas na Inglaterra diminui drasticamente

Publicidade

O epidemiologista Neil Ferguson, responsável por ter criado o modelo de Imperial College London que projetou estimativa 2.2 milhões de mortos nos EUA e 500 mil no Reino Unido pela pandemia do COVID-19, reduziu drasticamente o calculo de mortes desde a última quinta-feira, dia 26.

De acordo com o portal Cointimes, Ferguson apresentou novas estimativas, desta vez radicalmente menores: “de 500 mil mortes para 20 mil mortes no Reino Unido”.

Ferguson apresentou o relatório das novas estatísticas na prestigiada revista News Cientist. O relatório foi divulgado no Twitter pelo autor e ex-repórter do New York Times, Alex Berenson:

“Essa é uma virada notável de Neil Ferguson, que liderou os autores [do Imperial College] que alertaram sobre 500.000 mortes no Reino Unido – e que agora positivou para #COVID.”

Continua Berenson:

“[Ferguson] agora diz que o Reino Unido deve ter leitos de UTI suficientes e que o coronavírus provavelmente matará menos de 20.000 pessoas no país – destes, mais de metade poderia morrer até o final do ano de toda forma [por serem] muito velhos e doentes.”

Segundo o Cointimes,  a epidemiologista e professora de Oxford Sunetra Gupta, que já havia detectado a presença do vírus um mês antes de qualquer suspeita dos órgãos oficiais, criticou o modelo de Ferguson:

“Estou surpresa que tenha havido uma aceitação tão significativa do modelo de Imperial”.

A epidemiologista afirma que mais da metade das pessoas já foram infectadas pelo coronavírus no Reino Unido. O modelo de Grupta estima que menos de um em mil infectados pelo coronavírus ficará doente o suficiente para precisar de hospitalização, deixando a maioria com casos leves ou sem sintomas.


Guten Morgen Go – Primeira Guerra Mundial já está no ar!! Conheça o conflito que moldou o mundo problemático em que vivemos em go.sensoincomum,org!

Publicidade
Sem mais artigos