fbpx

Digite para buscar

Professor é afastado por não usar pronomes de gênero neutro

Compartilhar

Byron Tanner Cross, professor de educação física da Leesburg Elementary School no condado de Loudoun, Virgínia, foi afastado após contestar duas políticas recentemente adotadas pela escola de ensino fundamental.

A primeira medida exigia que professores mostrassem respeito pelas crianças transgênero e aceitassem suas escolhas de pronomes; a segunda, permitia que “crianças trans” praticassem esportes no grupo de gênero com o qual se identificassem “independentemente do nome e gênero descritos no registro educacional permanente do aluno.”

A manifestação de Byron se deu durante uma reunião pública do conselho escolar da Loudoun County Public Schools (LCPS – Escolas Públicas do Condado de Loudoun), em 25 de maio, onde as propostas eram discutidas. O professor deixou claro aos membros do conselho que não pretendia afirmar que um menino biológico pode ser uma menina, e vice-versa. Isto violaria suas crenças cristãs:

“Não é minha intenção ofender ninguém, mas há certas verdades que devemos enfrentar. Condenamos as políticas escolares que podem prejudicar as crianças, contaminando a santa imagem de Deus.”

“Amo todos os meus alunos, mas nunca mentirei para eles, independentemente das consequências. Sou professor, mas primeiro sirvo a Deus e não vou afirmar que um menino biológico pode ser uma menina e vice-versa porque é contra a minha religião. É mentir para uma criança, é um abuso para uma criança e é pecar contra o nosso Deus.”

Em um e-mail de 27 de maio enviado aos pais, o diretor da escola Leesburg, Shawn Lacy, disse que Cross “está de licença a partir desta manhã”, mas não especificou a causa do afastamento.

“Eu queria que vocês soubessem disso porque pode afetar a rotina escolar dos alunos. Como se trata de um assunto pessoal, não posso oferecer mais informações”, diz o e-mail.

O professor Byron Tanner Cross foi colocado em licença administrativa por tempo indeterminado e não se sabe se será remunerado por esse período.

O condado de Loudoun, que abriga algumas das escolas públicas de melhor desempenho do país, ganhou atenção nacional nos últimos meses diante da luta travada entre pais de alunos e escolas locais que buscam promover o progressismo “consciente”, como a Teoria Crítica Racial (CRT, na sigla em inglês) – ideologia enraizada na luta de classes marxista com ênfase em conflitos raciais com o objetivo de desmantelar todas as instituições sociais consideradas inerentemente racistas.

Em março, um grupo do Facebook de atuais e ex-professores do LCPS criou uma lista negra de pais e professores que expressaram preocupação com a introdução de elementos do CRT nas salas de aula. De acordo com o Daily Wire, os membros do grupo foram encorajados a “se infiltrar” nos grupos anti-CRT, a usar hackers para silenciar suas comunicações, e “expor essas pessoas publicamente”.

Este é o modus operandi da patota tolerante e democrática da cultura do cancelamento.

Com informações de Epoch Times


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Panela Store

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Assuntos:
Luigi Marnoto

Luigi Marnoto é cozinheiro e só não foi guia de cego e bombeiro. Atualmente escreve no Senso em troca de uns caraminguas. É pai e avô quase exemplar e campeão de porrinha.

  • 1