Facebooktwittermail

lindbergh-farias

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), notável como uma das lideranças dos caras-pintadas que fizeram o impeachment de Collor como presidente da UNE, fez declarações de corar o mais ferrenho crítico da “defesa de ditaduras” ao se declarar votos no caso do impeachment.

Em seu voto, o Lindbergh, outrora conhecido como “Lindinho”, citou ex-presidentes do STF, a sessão que anulou o mandato de Joâo Goulart e enalteceu Getúlio Vargas, o ditador do Estado Novo que, sozinho, provocou muito mais mortes do que todos os anos da ditadura militar brasileira.

O Estado Novo tinha faceta anti-comunista, o que, supostamente, deveria ser criticado pela esquerda brasileira. É um vezo da esquerda não se assumir comunista, mas não aceitar a crítica ao comunismo, considerando-o inócuo e seus adversários fanáticos.

Todavia, o mesmo Estado Novo, inspirado no fascismo, deu as bases do populismo brasileiro, com suas leis trabalhistas ridiculamente semelhantes à Carta del Lavoro de Benito Mussolini. O modelo fascista, conhecido como corporativismo, deu as bases para o sindicalismo latino-americano, como o do PT com suas greves e interesses “de classe” nos anos 80 e 90. É o modelo de Hugo Chávez e Nicolás Maduro, ditadores que pregam o “socialismo do séc. XXI”, mais parecido com o fascismo do que com o socialismo do século passado. O fascismo são os “direitos trabalhistas” que o PT ameaça que os brasileiros não terão após sua saída do poder.

Segundo Lindbergh Farias, Getúlio Vargas foi “absolvido” pela história, o que ele tem certeza de que acontecerá igualmente com Dilma Rousseff. Getúlio foi acusado de diversos assassinatos, das torturas e sevícias brutalíssimas do Estado Novo, que foram muito mais sangrentas do que as da ditadura militar de 1964 (Graciliano Ramos conheceu um lado “light” da ditadura getulista).

É uma aposta arriscada, mas certamente há um risco de se tornar profética: apesar de o brasileiro estar se interessando em explicações políticas diversas daquela repetida pela cartilha educacional do MEC, completamente baseada em Estado gestor, elogios disfarçados ao totalitarismo socialista e historiografia reduzida à ideologia.

lindbergh-farias-collorLindbergh Farias também afirmou que o que fazem com Dilma Rousseff é “criminalizar políticas anticíclicas”, afirmando que as pedaladas fiscais (uso de dinheiro de clientes de bancos para pagar gastos exorbitantes do governo sem vislumbre de retorno) são o mesmo que o keynesiano que gerou a esquerda pós-socialista do Estado de Bem-Estar Social (justamente, o causador da crise). Fora a corrupção em maquiar contas públicas para ganhar eleições, há quase uma verdade ali. Nenhuma propaganda contra o Estado-Babá pode ser mais eficiente.

O Estado-Babá foi uma criação de Otto von Bismarck, grande general responsável pela unificação alemã e talvez a principal influência de Adolf Hitler, que pregava o Estado-Babá total, controlado através de sindicatos amalgamados no Estado para controlar a economia, a propriedade privada, o mercado e até a vida privada na Alemanha nazista.

Sabendo-se disso, chega a ser engraçado ver os estrilos de Lindbergh contra o que chama de “fascismo”.

Fascismo, socialismo e democracia

Um ponto mais desabrido do discurso de Lindbergh Farias foi sua fala sobre “democratização da mídia”. A palavra democracia, já usada esvaziada de significado e referenciais filosóficos canônicos como substantivo, adquire um sentido único como verbo: controle pelo Estado. Não é possível haver mais liberdade com a “democratização” da mídia. Não haverá uma diminuição do controle, mas uma concentração no Estado. É difícil crer que a mentalidade petista de Lindbergh, associada aos seus encômios acima elencados, permitisse, por exemplo, notícias contrárias ao PT, como as pedaladas e o sigilo colocado nos gastos da presidente e do investimento do PT em ditaduras, como Cuba e Angola.

Houve a típica carrada de clichês que só funcionam para a liderança, como falar que é um golpe (desejado por 66% dos brasileiros, que rejeitam Dilma em 90%) ou que se trata de uma elite que não agüenta ver a empregada enriquecendo (como se o problema do PT fosse a sua hiper eficiência, e não ter colocado 11 milhões de pessoas na fila do desemprego).

Sobrou falar de Aécio Neves, aquele que poderia ser um líder contra o PT, mas que não aceitou o chamado de seus próprios eleitores para se tornar uma voz de peso contrária ao bolivarianismo, preferindo uma reserva e uma aparição repentina de última hora. Neste sentido, quando Lindbergh diz que o maior derrotado desse impeachment é o PSDB, encerra uma verdade inquestionável: o maior partido de oposição do país nem um nome forte para concorrer à presidência em 2018 possui.

Um pouco contraditório, portanto, com o seu típico discurso paranóico de encontrar “neoliberalismo” por todo lado, sobretudo vindo logo do Partido da Social Democracia Brasileira. Até citou en passant os Chicago Boys de Milton Friedman, que fizeram o modelo econômico do Chile. O Chile não passa por crise econômica.

A crença de Friedman, de que a liberdade econômica facilitaria a derrocada da brutal ditadura de Pinochet, acabou se mostrando razoavelmente válida: Pinochet se afastou do poder assim que deixou de ser eleito. Acabou provando que há ditadores que se mantêm pelo voto. Pinochet, por muito pouco, quase matou José Serra, casado com uma chilena, na saída de um estádio.

Faltou alguma tese mais coerente. Por exemplo, culpar a CIA pelo impeachment. Ou, talvez, ETs.

Ascensão e queda do PT de Lindbergh

O carisma que mantinha tais historietas funcionando sem nenhuma coerência se foi. A crença na dominação fascista pelo Estado para contar a História aos jovens e fazê-los crer na narrativa de “golpe” justamente usando o monopólio da força pelo Estado pode, ainda, ser uma aposta certa.

O trecho mais revelador, entretanto, é uma sutileza dificilmente percebida por jornalistas e pessoas pouco treinadas. Lindbergh Farias soltou que o futuro dos “golpistas” é “a lata do lixo da História”. Não foi mera expressão: no meio do dia, Lindbergh já havia postado uma imagem de Michel Temer em seu Facebook com a mesma frase. Apesar de famosa, a frase não costuma ser identificada por jornalistas.

Trata-se de bordão cunhado por Leon Trotsky, o comunista russo vice-líder da Revolução Russa, logo abaixo do tirano Vladmir Lenin. Trotsky mandou matar muito mais pessoas do que o próprio Stalin na Batalha de Potemkin, quando marinheiros se rebelaram contra as condições terríveis em que os revolucionários de esquerda os colocaram.

Enaltecer Trotsky seguidamente não vale críticas da parte daqueles que tanto espezinharam Jair Bolsonaro por dedicar seu voto ao Coronel Brilhante Ustra, cuja única acusação de “tortura” vem das mesmas pessoas que pregam comunismo, dizem que Dilma é honesta e que reconheceu sua voz e por isso ganha indenizações milionárias?

potemkin-battleshipTrotsky foi um dos arquitetos da Revolução que matou mais de 60 milhões na Rússia, e queria espalhar com mais rapidez o socialismo para outros países. O genocídio em suas mãos teria sido muito maior e mais rápido. As mortes contabilizadas em suas próprias mãos são assomam mais do que todos os anos de ditadura militar no Brasil.

Como mostrou Edmund Wilson, na maior história das idéias socialistas, o livro Rumo à Estação Finlândia, se John Jay Chapman disse que Browning usava Deus em sua obra como substantivo, verbo, adjetivo, advérbio, interjeição e preposição, o mesmo é verdade quanto ao poder e dever da “História” de Trotsky. Era um rapaz que daria a vida pela União Soviética – desde que tivesse uma boa platéia.

Foi Trotsky que inventou uma historiografia em que tudo recai no marxismo, e em que o ensino de uma história reduzida a uma “luta de classes” seria a base da revolução. O discurso de “Eu estudei História!” seguido de afirmações doestas sobre “elite” e “classe média” não é, senão, trotskysmo.

Depois da quizomba pública que foi parar no New York Times sobre o voto de Jair Bolsonaro, ouviremos estrilos, choro e ranger de dentes sobre o curioso Lindbergh Farias lutando para manter uma presidente acusada de muito maior corrupção do que Collor?

Ou o jornalismo, mais uma vez, apenas “informará” a população sobre o que ela já acredita ser verdade, crendo que trotskystas contra a ditadura lutavam pela nossa democracia de 88, que tortura não ocorre no socialismo, que a defesa de poder gigantesco do Estado contra a população foi feita por Bolsonaro, sem nunca ver nada demais nas falas de socialistas? Teremos auê por meses e anos agora ou não enxergarão nada?

Lindbergh Farias terminou seu discurso chamando Michel Temer de impostor, garantindo que nunca o reconheceria como presidente (who cares?), na velha crença nominalista de que o nome causa a coisa no mundo. E arrancou aplausos ameaçando que não cansaria enquanto não colocasse o presidente “para fora”.

Não é golpe?

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais: