fbpx

Digite para buscar

Winter is coming

Cientista diz que há “resfriamento global iminente”

Astrofísica Valentina Zharkova diz que há exagero nas estimativas dos custos de emissão de CO₂ e que temperaturas podem variar até 1°C abaixo das atuais

Compartilhar
Cientista diz que há "resfriamento global iminente"

Em uma entrevista exclusiva ao portal The Epoch Times, a cientista Valentina Zharkova disse que seu artigo de 2015, publicado na revista Nature, prevendo o início de um grande mínimo solar entre 2020 e 2053 foi confirmado, levando-a a alertar que as temperaturas podem cair rapidamente em breve.

Os grandes mínimos solares duram vários ciclos solares, durante os quais o sol produz menos energia e a atividade solar é diminuída. Durante um grande mínimo solar anterior, nomeado como Mínimo de Maunder, ocorrido entre 1645 e 1715, as calotas polares se expandiram e o rio Tâmisa, na Inglaterra, frequentemente congelava.

“A temperatura durante o grande mínimo solar atual será ligeiramente mais alta do que era durante o Mínimo de Maunder – e este grande mínimo solar será mais curto”, previu Zharkova.

Como evidência do grande mínimo solar, Zharkova citou dados de manchas solares do Observatório Real da Bélgica, juntamente com baixas temperaturas e extremos climáticos recentes, incluindo o inverno mais frio já registrado no Pólo Sul, bem como o clima excepcionalmente frio e nevado do Texas, no início de 2021.

Em 2019, a NASA afirmou que “a previsão é de que o próximo ciclo solar será o mais fraco dos últimos 200 anos.” No entanto, a agência espacial disse que um grande mínimo solar, caso ocorresse, “serviria apenas para compensar alguns anos de aquecimento causado por atividades humanas.”

Por outro lado, Zharkova argumenta que um grande mínimo solar poderia reduzir as temperaturas globais em até 1°C.

Ela também disse ao Epoch Times que os custos da emissão de dióxido de carbono na atmosfera podem ser um tanto exagerados, apontando que seu aumento ocorreu ao mesmo tempo em que a expectativa de vida global dobrou.

Um estudo recente sugeriu que o aumento do dióxido de carbono atmosférico foi responsável por até 40% das melhorias nas principais safras dos EUA desde 1940.

Zharkova acredita que os governos do hemisfério norte devem preparar seus cidadãos para uma queda acentuada nas temperaturas durante as próximas décadas.

Mas, por enquanto, governos em todo o mundo se posicionam para enfrentar o oposto: o aquecimento global, conforme evidenciado na COP26 em Glasgow, Escócia.

Os atuais recordes de temperatura são motivo de controvérsias.

Várias fontes, incluindo dados de satélite coletados pela Universidade do Alabama em Huntsville, dados da União Europeia e de outras agências, mostraram temperaturas globais excepcionalmente altas nas últimas décadas, que muitos cientistas acreditam ser consistentes com o aquecimento global impulsionado pela atividade humana.

Outras fontes criticam alguns desses dados, dizendo que as conclusões sobre o aquecimento global antropogênico são falsas, exageradas ou enganosas.

Zharkova acredita que pelo menos algumas das pessoas envolvidas na propaganda do aquecimento global estão cientes da possibilidade de resfriamento terrestre em um futuro muito próximo.

“Eles querem ganhar seu dinheiro – os impostos ou o que quer que consigam com as tecnologias verdes – o mais rápido possível, porque muito em breve serão desmascarados”, disse ela.

Crédito da imagem: @NAO via Twenty20

Com informações de The Epoch Times
Assuntos:
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1